televisão

RTP: Comissão de Trabalhadores questiona administração sobre acordo com FPF

RTP

Representantes dos funcionários da RTP consideram que poderão existir "indícios de violações claras de princípios de concorrência leal" no memorando.

A Comissão de Trabalhadores da RTP questionou hoje o Conselho de Administração e o Conselho Geral Independente sobre se têm condições para continuarem em funções, depois de conhecido o memorando de entendimento com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

O primeiro-ministro, António Costa, mostrou-se hoje surpreendido ao ser questionado pelo Bloco de Esquerda com a existência daquele memorando, por não ter sido dado conhecimento prévio ao Governo, nem constar no Plano de Atividades e Orçamento da empresa, levando o Governo a questionar a administração da RTP.

Em comunicado, a Comissão de Trabalhadores (CT) da RTP enumerou os vários pontos do memorando que considera poderem inviabilizar a manutenção em funções do Conselho de Administração, bem como do Conselho Geral Independente.

Segundo a CT, o memorando previa que a RTP permutasse com a FPF imagens de arquivo, cedesse trabalhadores e as instalações do Centro de Produção do Norte para o funcionamento de um canal privado, considerando assim existirem “indícios de violações claras de princípios de concorrência leal”.

“O memorando revelava uma completa falta de noção do que é e para que serve um serviço público de rádio e televisão”, acrescenta a nota, adiantando ainda que “o documento dificilmente passaria por um órgão de supervisão de um canal privado, quanto mais de uma empresa pública”.

A CT do canal público informa que, “num ‘email’ datado de 16 de janeiro, o próprio Conselho de Administração da RTP admitia que o Conselho Geral Independente já conhecia este memorando”.

O órgão representativo dos trabalhadores da RTP questiona aqueles dois conselhos quanto à sua manutenção em funções, bem como o “manto de silêncio” verificado, até porque, de acordo com esta comissão, o mesmo era do conhecimento de algumas redações de vários órgãos de comunicação social.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Zeinal Bava, ex-PT e Oi

Zeinal Bava faz promessa: “Chegou o momento de esclarecer tudo”

Outros conteúdos GMG
RTP: Comissão de Trabalhadores questiona administração sobre acordo com FPF