televisão

RTP: Comissão de Trabalhadores questiona administração sobre acordo com FPF

RTP

Representantes dos funcionários da RTP consideram que poderão existir "indícios de violações claras de princípios de concorrência leal" no memorando.

A Comissão de Trabalhadores da RTP questionou hoje o Conselho de Administração e o Conselho Geral Independente sobre se têm condições para continuarem em funções, depois de conhecido o memorando de entendimento com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

O primeiro-ministro, António Costa, mostrou-se hoje surpreendido ao ser questionado pelo Bloco de Esquerda com a existência daquele memorando, por não ter sido dado conhecimento prévio ao Governo, nem constar no Plano de Atividades e Orçamento da empresa, levando o Governo a questionar a administração da RTP.

Em comunicado, a Comissão de Trabalhadores (CT) da RTP enumerou os vários pontos do memorando que considera poderem inviabilizar a manutenção em funções do Conselho de Administração, bem como do Conselho Geral Independente.

Segundo a CT, o memorando previa que a RTP permutasse com a FPF imagens de arquivo, cedesse trabalhadores e as instalações do Centro de Produção do Norte para o funcionamento de um canal privado, considerando assim existirem “indícios de violações claras de princípios de concorrência leal”.

“O memorando revelava uma completa falta de noção do que é e para que serve um serviço público de rádio e televisão”, acrescenta a nota, adiantando ainda que “o documento dificilmente passaria por um órgão de supervisão de um canal privado, quanto mais de uma empresa pública”.

A CT do canal público informa que, “num ‘email’ datado de 16 de janeiro, o próprio Conselho de Administração da RTP admitia que o Conselho Geral Independente já conhecia este memorando”.

O órgão representativo dos trabalhadores da RTP questiona aqueles dois conselhos quanto à sua manutenção em funções, bem como o “manto de silêncio” verificado, até porque, de acordo com esta comissão, o mesmo era do conhecimento de algumas redações de vários órgãos de comunicação social.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
RTP: Comissão de Trabalhadores questiona administração sobre acordo com FPF