MobiCascais

Rui Rei: A bicicleta é o novo meio de transporte diário

MobiCascais (Filipa Bernardo/ Global Imagens)
Cascais, 26/01/2018 - Em Cascais existem vários projectos que pretendem dinamizar a cidade, que se assume cada vez mais como uma "smart city", fazendo uso de tecnologia e aplicações que permitem um modelo de cidadania mais próxima. A rede de mobilidade encontra-se integrada, desde o estacionamento, aos transportes públicos e bicicletas, sendo acessível pelo cartão da Mobi Cascais e através da aplicação. (Filipa Bernardo/ Global Imagens)

Cascais tem em curso a construção da ciclovia que vai ligar o campus da Nova SBE à estação de Carcavelos

O sistema de mobilidade inteligente de Cascais integra vários meios de transporte – do transporte coletivo (autocarro e comboio) e estacionamento à chamada mobilidade suave. Aqui se inclui um sistema de bicicletas partilhadas inovador que já começou a servir quem vive, trabalha ou visita Cascais. A ideia é que as bicicletas passem a ser vistas não apenas como lazer mas como um novo meio de transporte para usar todos os dias no caminho para o trabalho ou para a universidade. Rui Ribeiro Rei, presidente do conselho de administração da Cascais Próxima, a empresa municipal que desenvolve e gere o sistema MobiCascais.

Como funcionam as bicicletas partilhadas de mobilidade (bike sharing)?
O sistema foi projetado pelo Ceiia [centro de engenharia e desenvolvimento criado em 1999 para apoiar a indústria automóvel] e construído de forma a permitir várias tipologias de bicicletas partilhadas. Iniciou-se em setembro de 2016 com 12 estações de bicicletas partilhadas localizadas em Cascais e Estoril e com um contingente de cem bicicletas. Em 2017, foram construídas mais 68 estações dispersas pelo concelho: junto aos principais interfaces, estações e paragens, parques de estacionamento e polos geradores de tráfego (escolas, clubes, associações, centros comerciais, etc.), bem como junto aos 70 km de ciclovias e vias cicláveis que a Câmara Municipal de Cascais está a construir.

Qual é o objetivo do projeto bike sharing?
O objetivo é colocar à disposição dos utilizadores 1200 bicicletas, entre convencionais e elétricas. A ideia é que os utilizadores possam levantar e entregar as bicicletas em qualquer estação, fazendo uso de um novo meio de transporte diário. Todas as estações de bicicletas partilhadas têm videovigilância e wi-fi gratuito. O cabo, os trincos do cadeado, as portas e acessos aos sistemas eletrónicos têm sensores alarmistas do estado em que se encontram de forma a minimizar as possíveis ações de vandalismo.

Como tem sido a adesão aos pacotes de mobilidade?
Existem 17 mil registos no site MobiCascais com um aumento percentual diário.

Como tem evoluído a construção de ciclovias?
Existem ciclovias e vias cicláveis em todas as freguesias do concelho de Cascais construídas nas vias de circulação principais. O planeamento total de ciclovias não para de crescer e está a ser executado no terreno. Neste momento estamos na segunda fase de construção da Ciclovia de Carcavelos que liga a Nova SBE à estação de comboios de Carcavelos, onde estão incluídas duas estações de bike sharing em funcionamento e mais duas em construção. Existem ciclovias e vias cicláveis para a Carcavelos/Parede, Cascais, Alcabideche e ligações entre freguesias. Está em curso um plano de ligação de ciclovias e vias cicláveis que ligam os concelhos do país. Existe o objetivo de as ciclovias cobrirem 70 km. Em 2018, o universo é de 700 bicicletas elétricas na rede, mas o objetivo é chegar às 1200. Teremos 80 estações de bicicletas partilhadas com wi-fi neste ano e a previsão de mais 30 para o próximo ano.

Qual é a fonte de energia que alimenta os postos de carregamento elétrico das Bicas? O hidrogénio está dentro dos planos?
São alimentados pela rede nacional com componentes de baixo consumo. Está em cima da mesa a alteração futura para medidas de alimentação por painéis solares ou outras fontes de alimentação autossustentáveis, entre ela o hidrogénio.

Já é possível ter um pacote de mobilidade para estacionar uma bicicleta particular nas estações de bicicletas partilhadas?
Após o registo em www.mobicascais.pt, pode optar por adquirir o bike parking, que permite usar as Docas para prender as bicicletas particulares com a segurança que a estação oferece: sistema de videovigilância controlado 24 horas por dia e sensores alarmistas dos cadeados e acesso aos componentes eletrónicos.

A rede MobiCascais ainda não inclui o metro e a carris (Lisboa). O que tem impedido esta integração?
Apesar do acordo não estar formalmente assinado, o Mobi entrega aos clientes os benefícios previstos nesse acordo. Isto significa que os clientes beneficiam das vantagens acordadas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Imagem DVfinal

Uma ideia para o futuro de Portugal

José Galamba de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores. (PAULO SPRANGER/Global Imagens)

“Catástrofes mais frequentes vão tornar os seguros mais caros”

(Joao Silva/ Global Imagens)

Transição das rendas antigas acaba. Cem mil famílias vão pagar mais

Outros conteúdos GMG
Rui Rei: A bicicleta é o novo meio de transporte diário