Ryanair

O que ganha a Ryanair com as novas regras de bagagem

REUTERS/Francois Lenoir
REUTERS/Francois Lenoir

A Ryanair acredita que a cobrança pela bagagem de mão está a reduzir os atrasos dos voos e já permitiu aos passageiros "poupar milhões de euros".

A companhia aérea irlandesa Ryanair afirmou esta quinta-feira que a nova política de bagagem de mão paga, em vigor desde dia 1 de novembro, já está a contribuir para a melhoria da pontualidade. Além disso, está a permitir aos passageiros poupar e a low cost acredita que os clientes já pouparam milhões de euros.

“Recebemos feedback bastante positivo por parte dos nossos clientes e aeroportos por toda a Europa relativamente à nossa nova política de bagagem, que contribuiu para a redução das filas na segurança aeroportuária e melhorou a experiência de embarque, com uma melhoria de 11% na pontualidade, já que eliminamos as malas etiquetadas na porta e os consequentes atrasos no voo”, lê-se no comunicado enviado à imprensa.

A nova política de bagagem tem ainda permitido uma passagem mais rápida pela segurança aeroportuária porque o volume de malas é menor, diminuindo o tempo de embarque. Segundo a Ryanair, devido às novas regras, 88% dos voos chegaram dentro do horário previsto desde o primeiro dia deste mês.

“Os clientes da Ryanair já pouparam milhões de euros ao trocar a mala de porão de 20kg a 25€ pela nova opção mais barata de 10kg a 8€. Cerca de 50% dos nossos clientes continuam a transportar 2 peças de bagagem de cabina gratuitas ao selecionar o serviço de Embarque Prioritário”, assegura o diretor de marketing da companhia aérea, Kenny Jacobs.

A bagagem de mão, que até ao primeiro dia deste mês era grátis, passou a ser cobrada entre seis e oito euros. A taxa ainda não vai ser aplicada aos passageiros que tenham comprado bilhetes até 31 de agosto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Poupança das famílias subiu no 2º trimestre

Deco pede medidas urgentes para travar crédito ao consumo

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

O que ganha a Ryanair com as novas regras de bagagem