Ryanair

O que ganha a Ryanair com as novas regras de bagagem

REUTERS/Francois Lenoir
REUTERS/Francois Lenoir

A Ryanair acredita que a cobrança pela bagagem de mão está a reduzir os atrasos dos voos e já permitiu aos passageiros "poupar milhões de euros".

A companhia aérea irlandesa Ryanair afirmou esta quinta-feira que a nova política de bagagem de mão paga, em vigor desde dia 1 de novembro, já está a contribuir para a melhoria da pontualidade. Além disso, está a permitir aos passageiros poupar e a low cost acredita que os clientes já pouparam milhões de euros.

“Recebemos feedback bastante positivo por parte dos nossos clientes e aeroportos por toda a Europa relativamente à nossa nova política de bagagem, que contribuiu para a redução das filas na segurança aeroportuária e melhorou a experiência de embarque, com uma melhoria de 11% na pontualidade, já que eliminamos as malas etiquetadas na porta e os consequentes atrasos no voo”, lê-se no comunicado enviado à imprensa.

A nova política de bagagem tem ainda permitido uma passagem mais rápida pela segurança aeroportuária porque o volume de malas é menor, diminuindo o tempo de embarque. Segundo a Ryanair, devido às novas regras, 88% dos voos chegaram dentro do horário previsto desde o primeiro dia deste mês.

“Os clientes da Ryanair já pouparam milhões de euros ao trocar a mala de porão de 20kg a 25€ pela nova opção mais barata de 10kg a 8€. Cerca de 50% dos nossos clientes continuam a transportar 2 peças de bagagem de cabina gratuitas ao selecionar o serviço de Embarque Prioritário”, assegura o diretor de marketing da companhia aérea, Kenny Jacobs.

A bagagem de mão, que até ao primeiro dia deste mês era grátis, passou a ser cobrada entre seis e oito euros. A taxa ainda não vai ser aplicada aos passageiros que tenham comprado bilhetes até 31 de agosto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

RODRIGO ANTUNES / LUSA

Governo reúne motoristas e patrões em nova maratona de “intransigências”

Posto de abastecimento de combustíveis REPA (Rede Estratégica de Postos de Abastecimento) no Porto (ESTELA SILVA/LUSA)

Revendedores de combustíveis esperam acordo “o mais brevemente possível”

Outros conteúdos GMG
O que ganha a Ryanair com as novas regras de bagagem