Empresas

Ryanair: Passageiros afetados por cancelamentos recebem novo voo ou reembolso

Foto: DR
Foto: DR

Companhia aérea irlandesa vai cancelar cerca de dois mil voos até ao final do mês de outubro, com vista a melhorar os índices de pontualidade.

A Ryanair anunciou, este sábado, que vão ser cancelados cerca de dois mil voos até finais de outubro, de modo a que a empresa consiga “melhorar a sua pontualidade”, cujos índices baixaram dos 90% para os 80%.

A empresa adianta, no entanto, estar a fazer os possíveis para minimizar os transtornos dos passageiros. “Todas as pessoas que têm o voo cancelado estão a ser colocadas no voo seguinte para o mesmo destino, ou é-lhes oferecida a possibilidade de um reembolso total”, adiantou a companhia irlandesa ao Jornal de Notícias/Dinheiro Vivo.

O Jornal de Notícias procurou ainda saber quais as estimativas da Ryanair sobre a quantidade de portugueses que deverão vir a ser afetados pelos cancelamentos mas, até ao fecho desta edição, não foi possível apurar esses números.

Em média, deverão ser cancelados entre 40 a 50 voos por dia (a partir dos diferentes aeroportos onde a Ryanair opera) ao longo das próximas seis semanas. Olhando para a frota de Boeing B737 (cada um com 180 lugares) que a empresa tem ao seu dispor, esta decisão poderá traduzir-se na retirada do mercado de 302 mil a 378 mil lugares. No entanto, e de acordo com a informação divulgada pela Ryanair, a quantidade de voos cancelados deverá representar “menos de 2%” da sua operação total.

Quanto à quebra assumida nos índices de pontualidade, a companhia aérea de baixo custo justifica-se com as greves, condições climatéricas desfavoráveis e pela obrigação de respeitar as regras de voo de pilotos e tripulações. Além disso, a Ryanair lembra também que atingiu níveis recorde durante o verão, com 12,6 milhões de passageiros, mas também que está com um “aumento da alocação de férias a pilotos e tripulantes de cabina” até ao fim do ano, uma vez que o início do seu ano vai coincidir com o ano de calendário (de Janeiro a Dezembro) e já não de Abril a Março do ano seguinte.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Ryanair: Passageiros afetados por cancelamentos recebem novo voo ou reembolso