Ryanair quer superar a TAP em Lisboa e tornar-se nº1 em Portugal

Ryanair aposta em Portugal com novas rotas

Depois de se ter tornado a companhia aérea número um em Faro e no Porto, a Ryanair quer superar a TAP em Lisboa e tornar-se a companhia número um do País.

A intenção não é nova, mas o CEO da companhia aérea Michael O’Leary acredita que agora será mais fácil e mais rápido, podendo este objetivo estar consumado dentro de quatro anos. O facto de já serem os líderes nas outras outras cidades portuguesas onde operam, Faro e Porto, dá ainda mais força a este propósito.

“Agora que já nos estabelecemos em Lisboa só podemos crescer”, afirmou O’Leary que está hoje em Lisboa para apresentar o reforço da companhia para o verão.

E para reforçar o propósito de crescmimento e superação da companhia aérea nacional, o presidente da companhia anunciou novas escalas para o verão: em Lisboa vão surgir quatro novas rotas (Bremem, Eindhoven, Milão e Roma) e no Porto outras duas (Bremem e Bruxelas). Com isto, a Ryanair aumenta para 13 as rotas com partida e destino de Faro, 14 de Lisboa e 25 no Porto.

Com este reforço de verão, a companhia aérea deverá gerar 5,7 milhões de passageiros por ano e manter os 5700 empregos que trouxe aos aeroportos nacionais onde estão situados.

Além disso, têm novas promoções: bilhetes desde 9,99 euros para viajar em julho e agosto com esta companhia. As partidas podem ser de Lisboa ou Porto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Ryanair quer superar a TAP em Lisboa e tornar-se nº1 em Portugal