Indústria têxtil

Salsa. “Estamos a estudar mercados fora da Europa”

João Martins, diretor de vendas e expansão da Salsa

Fotografia: Artur Machado/GI
João Martins, diretor de vendas e expansão da Salsa Fotografia: Artur Machado/GI

Espanha deverá ser o principal mercado da Salsa em dois anos. Marca portuguesa já estuda outras geografias fora do mercado europeu

João Martins, diretor de vendas e expansão da Salsa, explica a estratégia de expansão da marca nacional, já presente em 35 países.

Quando a Sonae entrou no capital foram anunciados planos de abrir 50 lojas em cinco anos. Em que fase está a execução?
Começámos logo no final de 2016 a acelerar as aberturas em Espanha, com quatro lojas e dois outlets. Neste ano vamos abrir mais 11 lojas, oito das quais em Espanha, uma no Luxemburgo, outra em França e outra no shopping da IKEA, em Loulé. Espanha é o país onde o plano vai desenvolver-se mais.
É o que revela maior potencial?
Espanha será o nosso mercado principal dentro de dois anos. Os mercados espanhol a francês representam quase o mesmo volume de negócio, mas o crescimento será mais rápido em Espanha, devendo ultrapassar Portugal em 2019, máximo em 2020.
Há dez anos apanharam o boom do Médio Oriente. Qual o próximo?
Neste momento, o nosso crescimento centra-se na Europa: o foco é Espanha, França e manutenção no Médio Oriente. Pensamos manter esse foco e alargar a novos mercados europeus e começar a estudar potenciais novos mercados fora da Europa para os próximos anos.
E atacar a Levi’s no seu próprio mercado, os EUA?
Não penso que os EUA estejam nas nossas prioridades nos próximos anos. É um mercado que, pela sua complexidade e dinâmica, exigirá, quando for o tempo de o abraçarmos, a alocação de muitos recursos para ter hipótese de triunfar. A maioria das marcas europeias que se lançam lá não têm sucesso.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página Inicial

Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, com responsáveis da VW na apresentação do T-Roc. Fotografia: DR

Caldeira Cabral confiante em acordo com trabalhadores da Autoeuropa

Fátima Barros, presidente da Anacom
Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Operadores dificultam rescisões de contratos e Anacom divulga alternativas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Salsa. “Estamos a estudar mercados fora da Europa”