Tecnologia

Depois da Huawei, Samsung tem um problema familiar de 7 mil milhões

Samsung

A Samsung tem tido na Huawei o seu maior rival mas, agora, a família que controla a empresa, corre o risco de perder o seu controlo.

Na era digital, a vida das marcas pode sofrer oscilações enormes em pouco tempo. A Huawei tem vindo a ganhar terreno no desejado campo de vendas de smartphones à líder Samsung – em Portugal a Huawei já roubou mesmo a liderança à rival sul-coreana. Há estimativas para que a Huawei seja mesmo a marca mais vendida no mundo já este ano. Agora, com os embargos dos EUA e das suas empresas, como a Google, o negócio da marca chinesa pode ser altamente prejudicado. Mas a Samsung também tem os seus próprios problemas.

Já depois do lançamento falhado do Samsung Fold – o smartphone com ecrã dobrável da marca -, que foi adiado para o verão depois de problemas com os dispositivos, a empresa pode ter nova situação complicada em breve. De acordo com a Bloomberg, a família fundadora e que controla a Samsung corre o sério risco de perder o seu controlo em breve, ao enfrentar um imposto estatal de 7 mil milhões de dólares.

Na Coreia do Sul há uma morte esperada que é aquilo que está a deixar o país em suspenso. A pessoa mais rica do país, o presidente da Samsung Electronics Co., Lee Kun-hee, de 77 anos, está incapacitado desde o ataque cardíaco que sofreu em 2014. A imprensa local tem especulado de forma frequente sobre a sua saúde com vários boatos que ele estaria mesmo às portas da morte.

A obsessão está relacionada com aquilo que irá acontecer após a morte de Lee Kun-hee. Os seus herdeiros vão enfrentar um imposto estatal de quase 7 mil milhões de dólares. Para pagar o valor, a família irá muito provavelmente perder o controlo sobre o grupo da Samsung, indica a Bloomberg. O património líquido de Lee é de cerca de 15 mil milhões de dólares e os seus devem ter de vender parte da herança para cobrir o tal imposto, diluindo assim a sua participação na Samsung.

Leia também | Preços dos iPhone podem subir em flecha com a guerra EUA-China

A empresa tem indicado que Lee está estável e não tem estado ligado a nenhuma máquina, como tem sido veiculado por alguns meios de comunicação. Além disso, garante que quando ele morrer, a família irá pagar todos os impostos devidos.

Toda esta questão está relacionada com a política tributária da Coreia do Sul, que obriga ao pagamento de 50% do valor de fortunas com mais de 2,5 milhões de dólares. O valor é o segundo mais alto a nível mundial, só atrás do Japão.

O império da Samsung inclui 62 empresas avaliadas em mais de 300 mil milhões de dólares. Embora Lee possua grande parte de algumas dessas empresas – incluindo 4,2% da Samsung Electronics – elas não são grandes o suficiente para lhe dar o controle de todo o grupo. A família depende, assim, de acordos com executivos que administram as empresas associadas e muito desse poder pode-se dissipar com a morte de Lee.

“A família está empurrar com os pés as decisões que vai ter de tomar sobre o que fazer com a sua riqueza e as suas ações”, explica à Bloomberg Chung Sun-sup, diretor executivo da consultora Chaebul.com.

O filho de Lee, Jay Y. Lee, é um dos quatro vice-presidentes da Samsung Electronics, mas até agora ainda não conseguiu a importância que o seu pai conquistou durante décadas na Coreia. Por não existir uma ligação oficial entre todas as empresas, o controlo do grupo é feito pela tal teia de participações cruzadas que Lee Kun-hee foi capaz de usar para manter o controle sobre todo o grupo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Depois da Huawei, Samsung tem um problema familiar de 7 mil milhões