concurso público

Santa Casa paga 28,5 milhões para bilhetes de lotaria

Fotografia: Direitos Reservados
Fotografia: Direitos Reservados

Entidade adjudicou a empresa norte-americana o fornecimento de bilhetes físicos de lotaria e serviços de consultoria e marketing.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa adjudicou um contrato de 28,5 milhões de euros para o fornecimento de bilhetes de físicos de Lotaria Instantânea “e correspondentes serviços de consultoria, assistência e aconselhamento comercial e de marketing”, segundo a informação publicada no Portal Base.

O contrato, com a duração de três anos, foi adjudicado à empresa norte-americana IGT, sendo que este é o primeiro contrato que esta empresa ganha em concursos públicos.

O último contrato para bilhetes físicos e restantes serviços tinha sido adjudicado em 2014, com a duração de dois anos, à norte-americana Scientific Games International, que também participou neste novo concurso público. Na altura, a adjudicação foi feita por 13 milhões de euros, o que significa que este novo contrato foi celebrado por mais de o dobro do valor, sendo contudo por um período temporal mais reduzido.

O contrato foi adjudicado tendo em conta a proposta financeira mais atrativa. Na corrida estiveram outras entidades, como a Scientific games internacional, a Cruz Menezes e a GTECH.

Segundo o contrato, a IGT terá de “fornecer protótipos de bilhetes de jogos para funcionarem como material de estímulo a utilizar em estudos de mercado num mínimo de 10 bilhetes por jogo, sendo similares aos bilhetes verdadeiros mas não necessitando dos requisitos de segurança”. Terá também de informar qual o modelo usado para a distribuição dos prémios, qual o software usado para a geração aleatória e implementar o controlo de acesso à informação, entre outras obrigações.

A empresa terá também de “apresentar os planos de jogos mais apropriados para cada um dos segmentos identificados” nos estudos de mercado realizados, dentro dos serviços de consultoria de marketing. Terá ainda de apresentar estratégias de comunicação e promoção dos jogos, qual o portefólio de jogos a disponibilizar e qual a estratégia para uma melhor experiência nos pontos de venda.

A IGT também tem de ter uma unidade de produção para o fornecimento dos bilhetes.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Santa Casa paga 28,5 milhões para bilhetes de lotaria