Montepio

Santa Casa sem poder de decisão um ano depois de entrar no Montepio

Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa da Misericórdia.
( Gustavo Bom / Global Imagens )
Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa da Misericórdia. ( Gustavo Bom / Global Imagens )

Acordo entre instituição de solidariedade e associação mutualista previa criação de uma instância de representação.

No final de junho, passou um ano desde que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa entrou no capital da Associação Mutualista Montepio Geral. O acordo, além da injeção de capital de 75 mil euros da Santa Casa de Lisboa, previa a criação de uma instância de representação para que os novos acionistas pudessem ter poder de decisão na estratégia do banco. Um ano depois, a Santa Casa continua sem poder de decisão na Associação Mutualista Montepio.

O acordo previa uma entidade para representar os novos acionistas, como a Santa Casa de Lisboa e outras 30 misericórdias e IPSS. Fonte oficial da mutualista diz apenas que “a assembleia de representantes reúne regular e periodicamente, o que permite o acompanhamento do desenvolvimento da instituição”, segundo declarações à edição desta terça-feira do Jornal de Negócios.

Mas a mutualista, liderada por Tomás Correia, não esclarece se as associações de economia social estão neste órgão e se podem efetivamente tomar alguma decisão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Santa Casa sem poder de decisão um ano depois de entrar no Montepio