Sapatos portugueses vencem prémio europeu

ng3113415

And the winner is… O calçado
português, com a campanha ‘Portuguese Shoes: The sexiest industry in
Europe’ , ganhou ontem, dia 25 de novembro, o prémio europeu de promoção empresarial na
categoria de apoio à internacionalização das empresas. Para trás
deixou o seu único opositor nesta fase final, o champanhe francês,
representado pela International Relays da região de
Champanhe-Ardenne.

Os prémios, uma iniciativa da Comissão
Europeia que pretende incentivar o empreendedorismo, foram ontem entregues em Vilnius, na capital da Lituânia,
uma cerimónia integrada na Assembleia Geral para as Pequenas e
Médias Empresas promovida pela presidência lituana da UE.

A cereja no topo do bolo foi quando
Daniel Calleja, diretor-geral para as PME da Comissão Europeia, no
encerramento da cerimónia, fez uma referência especial ao calçado,
sublinhando que “a Europa ficou a saber que os sapatos portugueses
são os mais sexy
“. A campanha tem por rostos os manequins portugueses Sara Sampaio (na foto) e Gonçalo Teixeira.

Coube ao presidente e ao porta-voz da
associação do calçado, a APICCAPS, respetivamente Fortunato
Frederico e Paulo Gonçalves, receberem o prémio da mão do ministro
da Economia de Malta. Para Fortunato Frederico, este é um prémio
“importante”, na medida em que constitui um “reconhecimento do
trabalho desenvolvido pelos empresários e pelo sector”. E o brinde
à vitória, será com champanhe ou vinho do Porto, quiseram os
jornalistas saber. “Com vinho do Porto, pois claro”, garantiu,
perentório. Recorde-se que esta é a segunda vez consecutiva que
Portugal ganha este prémio, sendo que o ano passado os vencedores,
exatamente na mesma categoria, foram os ‘Douro Boys’.

Manuel Carlos, diretor-geral da
APICCAPS, garante que nunca duvidou de que o calçado português
sairia vencedor do embate face ao champanhe. Reconhece a “enorme
notoriedade” que uma marca mundial como a do champanhe carrega
consigo, tornando este prémio mais especial ainda, mas destaca
sobretudo os resultados obtidos pelas duas candidaturas: “Não há
muitas indústrias na Europa com um crescimento de quase 30% e a
criar emprego num período não só tão curto, [de janeiro de 2011
até agora], mas, sobretudo, de grandes dificuldades nacionais e
internacionais, de ajustamentos orçamentais e de contração da
procura. Isto só mostra que os empresários portugueses estão de
parabéns”, frisou.

Já Alberto de Castro, que, nas últimas
duas décadas tem vindo a ajudar o sector a delinear a sua estratégia
– lidera a equipa da Universidade Católica que tem desenhado os
planos estratégicos da indústria de calçado, o mais recente dos
quais será apresentado no próximo dia 4 de dezembro, na Alfândega
do Porto, pelo ministro da Economia, Pires de Lima – reconhece que
o calçado partia numa posição de “desvantagem”, já que
competia frente ao champanhe “com toda a força que a marca tem e o
impacto no imaginário de todos”. O prémio, frisou, é, em si, “um
atestado” de que a estratégia do calçado, que exigiu muita
“persistência e determinação”, foi “bem concebida e melhor
conseguida”.

Já Paulo Gonçalves destaca a
responsabilidade que esta distinção traz de obrigar o sector a fazer
mais e melhor. “Estamos a preparar novas iniciativas
verdadeiramente inovadoras, não só em termos da tipologia das
ações, mas também na forma de abordagem aos mercados. Sendo certo
que muito do que temos foi consolidado na Europa, a estratégia passa
por afirmar o calçado em mercados-chave como a China, os EUA e a
Colômbia”.

Algumas destas novas ações serão,
ainda, lançadas até ao final do ano. É o caso da decisão de
colocar a campanha ‘Portuguese Shoes’ ao serviço das empresas,
“formulando-lhes os planos de comunicação e apoiando-as
financeiramente nesse esforço”, diz Paulo Gonçalves. No que aos
novos mercados diz respeito, o objetivo é o desenvolvimento de ações
cirúrgicas, quer nos EUA quer na Colômbia, designadamente
associando a imagem do calçado português a figuras de primeiro
plano da moda ou do desporto local. Na Colômbia, por exemplo, é
sabido que a Shakira é apreciadora de calçado português e a
APICCAPS não esconde o prazer que teria em associar-se à famosa
cantora. Por fim, está previsto um investimento “muito forte” no
online, com o lançamento da Portuguese Shoes TV.

Recorde-se que o projeto ‘Portuguese
Shoes: The sexiest industry in Europe’, cujo slogan – designed by
the future reflete a orientação estratégica para o futuro – , foi
desenvolvido pela APICCAPS em parceria com a Academia de Design e
Calçado e com o apoio do Programa Compete. Em curso desde 2011,
constou de uma campanha integrada, com o objetivo de aumentar o
prestígio do calçado português nos mercados internacionais.

Para
além da participação anual em mais de 70 certames, a APICCAPS
desenvolveu ações de comunicação e imagem junto de potenciais clientes, jornalistas e líderes de opinião e do público em geral.
Por ano, e sem contar com as duas edições da revista Portuguese
Soul que produz e envia para todo o mundo, a APICCAPS faz seis
editoriais de moda que publica na Vogue Itália e na Máxima
Portugal. Uma ofensiva promocional que teve por fim aumentar
as exportações, diversificar mercados, aumentar a reputação do
calçado e colocar o setor na agenda mediática internacional.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Sapatos portugueses vencem prémio europeu