Energia

Schneider Electric quer continuar a crescer à boleia da transição energética

Imagem CEO Schneider Electric2

O CEO da gigante tecnológica diz que 60% da gestão de energia está errada e que a eficiência energética é, afinal, o “segredo” para travar emissões.

Para Jean-Pascal Tricoire, presidente executivo da Schneider Electric, a eficiência energética é como deixar de fumar. E explica porquê: “Não só nos sentimos melhor a nível físico como poupamos muito dinheiro porque deixamos de comprar cigarros. A eficiência energética é igual: gastamos e poluímos menos. É só mudar a forma como consumimos e gerimos a energia que temos disponível, em vez de estarmos focados em torná-la verde”, defendeu numa entrevista exclusiva ao Dinheiro Vivo no Innovation Summit 2019, em Barcelona.

Tricoire sublinha os números da Agência Internacional para a Energia: 80% dos edifícios são ineficientes e 60% da indústria também. “Estamos a falhar juntos. Debatemos combustíveis fósseis versus energias renováveis, mas devíamos estar focados na ineficiência. Se a corrigirmos é muito mais rápido e barato. E não serão necessárias tantas centrais para produzir energia renovável”, defende o CEO, garantindo que “as poupanças geradas cobrem o investimento das empresas em eficiência energética no espaço de três anos”.

Aos clientes, dá o exemplo da empresa que gere e que, no final do primeiro semestre de 2019, estava a crescer a um ritmo de 5,4%. Na fatura energética, a Schneider Electric tem conseguido uma redução de 10% a cada ano e anunciou agora a meta de ser neutra em carbono até 2025.

“Tornou-nos mais competitivos. Em 2003 éramos uma empresa de oito mil milhões de euros e hoje valemos 26 mil milhões. Foi a aposta certa. A eficiência energética não é um nicho de mercado, é uma grande oportunidade de negócio”, diz Tricoire.

E se a área de IoT (Internet of Things) é responsável por 45% das receitas da Schneider Electric, a energia é a que regista um maior crescimento. “A cada ano duplicamos os lucros. Temos muita procura. Sobretudo nos Estados Unidos, onde a rede é muito má. Na Europa as redes energéticas já são mais avançadas, por comparação com o resto do mundo”, diz o CEO.

Em Portugal, a Schneider Electric está presente há mais de 50 anos e tem como clientes grandes empresas como a EDP, Galp, Navigator Company, entre outras, para as quais fornece equipamentos de baixa tensão para edifícios e indústria. Tricoire conhece o mercado e garante que o investimento em renováveis “vai continuar, passo a passo, sem subsídios”.

Isto porque, além de corrigir a ineficiência energética “temos de apostar nas renováveis ao mesmo tempo: duplicar o nível de eletrificação da economia de 20% para 40% e descarbonizar através das renováveis (eólica e solar), que vão dar um salto de gigante de seis para 40%”.

Para Tricoire, aqui entram as empresas, que são “responsáveis pela inovação”, os governos, “que não podem bloquear o caminho por razões puramente políticas”, e as cidades que, “com 80% das emissões, têm de ser mais sustentáveis para atrair o turismo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Schneider Electric quer continuar a crescer à boleia da transição energética