Empresas

Science4you quer alargar prazo da oferta pública até fevereiro

Miguel Pina Martins, CEO da Science4you.

(Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens)
Miguel Pina Martins, CEO da Science4you. (Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens)

A Science4you fez um pedido de alargamento da oferta pública até fevereiro do próximo ano.

A Science4you fez um pedido de alargamento da oferta pública até fevereiro do próximo ano com o objetivo de aumentar a liquidez que os títulos possam vir a ter.

“De forma a incrementar a liquidez que possa existir na negociação dos títulos, a Science4you, S.A. pretende celebrar um contrato de liquidez com um intermediário financeiro. Para tal, recebeu já uma proposta para a celebração do contrato de liquidez, a qual aceitou, pretendendo formalizar a celebração desse contrato nas próximas semanas, tendo em vista garantir que o mesmo estará em vigor por altura da admissão à negociação das ações no sistema de negociação multilateral Euronext Growth”, pode ler-se no comunicado presente no site da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Neste sentido, a Science4you, S.A. submeteu à aprovação da CMVM um pedido de adenda ao Prospeto, sendo expectável, caso essa adenda seja aprovada pela CMVM, que a oferta venha a ser prorrogada até 1 de fevereiro de 2019 em razão daquele facto novo. Em qualquer caso, até ao dia 11 de janeiro de 2019, a Science4you, S.A. informará o mercado sobre a celebração daquele contrato”.

No passado dia 12, o Dinheiro Vivo escrevia que a estreia da Science4You em bolsa estava em dúvida. A fraca procura por parte de investidores na oferta que a empresa tem em marcha poderia deitar por terra a ambição da retalhista de brinquedos didáticos de vir a entrar em bolsa a 21 de dezembro. O mau momento nas bolsas, devido à guerra comercial e ao brexit, poderia tirar o tapete à Science4You.

Notícia atualizada às 19:14

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Science4you quer alargar prazo da oferta pública até fevereiro