Jogos didáticos

Science4You prepara nova fábrica para 2017

Miguel Pina Martins, CEO da Science4You. Fotografia: Gonçalo Villaverde / Global Imagens
Miguel Pina Martins, CEO da Science4You. Fotografia: Gonçalo Villaverde / Global Imagens

Coreia do Sul, Japão e México serão os novos mercados da empresa de brinquedos educativos no próximo ano

À beira de celebrar 10 anos, a Science4You prepara-se para ampliar as atuais instalações, no MARL, nos arredores de Lisboa. A empresa de brinquedos educativos necessita de mais espaço para acomodar a entrada em novos países e o primeiro ano de presença nos Estados Unidos, anuncia o CEO, Miguel Pina Martins, em entrevista ao Dinheiro Vivo.

Vamos ampliar, de certeza, as nossas instalações em 2017; pode ser dentro do MARL ou em outro local aqui próximo. Estamos a estudar várias opções, porque tanto pode ser um novo armazém, como uma nova fábrica de brinquedos. Precisamos de expandir a nossa área em pelo menos 20%.” A Science4You tem uma meta de receitas de 25 milhões de euros para o próximo ano. Para isso, precisará de produzir mais e de contratar mais pessoas.

“Produzimos 20 mil brinquedos por dia, atualmente”. Com as novas instalações, “poderemos chegar pelo menos aos 30 mil brinquedos por dia. Teremos de contratar entre 200 e 300 pessoas ao longo do próximo ano, sobretudo no pico do Natal. A empresa também pretende “otimizar algumas tarefas” para conseguir alcançar estas metas.

A Science4You está também a preparar a entrar em mercados como a Coreia do Sul, Japão e México. “São mercados relativamente grandes e que ainda nos faltam”, lembra o gestor. A marca deverá estar presente em 40 países até ao final de 2017, mais cinco do que no final deste ano (35 países).

Leia aqui: Com este já são dez. Honorato chega a Coimbra

Fundada em 2008 e com mais de 20 mil postos de venda, a empresa deverá fechar este ano com lucros de 1,8 milhões de euros, mais do dobro registado no ano anterior (800 mil euros). Além de Portugal, as vendas em Espanha, França, Itália, Reino Unido e Polónia são as principais responsáveis por uma faturação que deverá ultrapassar os 18 milhões de euros. As vendas no estrangeiro até poderão superar “um bocadinho” os números registados no nosso país.

A Web Summit foi também um dos marcos deste ano para a Science4You, que foi uma das 67 startups que integraram a ‘seleção portuguesa’, no âmbito do programa Road 2 Web Summit. Graças à mega cimeira tecnológica, “surgiram alguns contactos”, que abriram mais a porta a um possível novo aumento de capital desta empresa. “Não é necessário mais estamos à procura de investidores, tanto de novos acionistas como de um possível reforço dos atuais” – BCP Capital e Portugal Ventures -, que controlam 60% da Science4You desde setembro de 2015. “Tudo depende da avaliação que nos derem”.

Este ano ficou ainda marcado pela surpresa chinesa. “Os consumidores de classe média-alta e alta procuram cada vez mais produtos ocidentais, com uma qualidade diferente. É um mercado muito relevante e que fica apenas atrás dos Estados Unidos”.

No maior mercado do mundo, as coisas são um pouco diferentes; “levam tempo”. E se 2016 foi para “lançar as bases”, no próximo é altura de “começar a recolher alguns frutos. Participaremos na feira de Nova Iorque, a maior do continente americano”, com a ideia de começar a ‘bater o pé’ a gigantes como a Marvel ou a Hasbro. “O posicionamento é o mesmo: acreditamos que temos um produto único, que mistura a diversão com a educação. Quando fazemos esta união de vontades é muito mais fácil vender.” Em 2017, a Science4You quer chegar ao milhão de euros de vendas nos EUA e no Canadá, mais do dobro do que este ano (400 mil euros).

O próximo ano é também de expectativa no mercado britânico, onde está instalado um dos escritórios internacionais da empresa (o outro localiza-se em Espanha). Arrancam as negociações formais para a saída da União Europeia. Ainda assim, a empresa diz-se tranquila, apesar de já ter tido um impacto entre 200 e 300 mil euros com a desvalorização da libra face ao euro. “Vamos manter a nossa estratégia, pelo menos para 2017. Temos grande esperança que os britânicos voltem a votar o brexit quando houver um acordo [com a UE], que será muito nefasto; eles votaram sem saber o que iria acontecer.”

A empresa diz ainda que tem mantido “bastantes contactos com investidores” e mostra “interesse quer em novos acionistas quer no reforço dos atuais, como o BCP Capital e a Capital Ventures, que detêm a maioria do capital.

Até lá, a Science4You aposta neste Natal, que começou a ser preparado em agosto e que representa 70% das vendas anuais. A fábrica de invenções, de cupcakes, um carro telecomandado ou os bichos colecionáveis Fungus Amungus são algumas das apostas para encher as prateleiras das lojas e os sonhos das crianças.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Outros conteúdos GMG
Science4You prepara nova fábrica para 2017