media

Seis empresas interessadas sobre compra da TVI na Concorrência

Michel Combes (Altice) e  Rosa Cullell  (Media Capital)

Fotografia: António Pedro Santos/LUSA
Michel Combes (Altice) e Rosa Cullell (Media Capital) Fotografia: António Pedro Santos/LUSA

Seis empresas constituíram-se como terceiros interessados no processo de compra da Media Capital pela Altice junto da Autoridade da Concorrência.

Seis empresas constituíram-se como terceiros interessados no processo de compra da Media Capital pela Altice junto da Autoridade da Concorrência (AdC).

“Até ontem [segunda-feira, data limite para a apresentação de observações], seis empresas constituíram-se como terceiros interessados no processo”, disse fonte da AdC à Lusa, sem revelar quais as empresas envolvidas. NOS, Vodafone e Impresa são três das empresas que apresentaram as suas observações à notificação de compra da Media Capital, dona da TVI, pela Altice, tal como noticiou ontem o Dinheiro Vivo.

A NOS e a Vodafone também já apresentaram junto da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) um pedido para serem reconhecidas como parte interessada. O pedido da operadora liderada por Miguel Almeida vai ser avaliado pelo regulador dos media na quarta-feira, dia 6, em reunião de conselho.

A Altice anunciou em 14 de julho, dois anos depois de ter comprado a PT Portugal (Meo), que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, entre outros meios, numa operação de mais de 440 milhões de euros.

Em 21 de agosto, a ERC recebeu o pedido de parecer formulado pela Autoridade da Concorrência (AdC) sobre a operação de concentração, que consiste na compra, pela Meo – Serviços de Telecomunicações e Multimédia, do controlo exclusivo do grupo Media Capital.

O parecer da ERC sobre este negócio é vinculativo e o regulador dos media pode pedir um prolongamento do prazo para emitir a sua posição, caso assim o entenda. Após o parecer da ERC, pode acontecer duas situações, dependendo se o regulador dos media se pronunciar de forma negativa ou favorável ao negócio. Caso o parecer seja negativo, a operação não se poderá realizar.

No entanto, se o parecer não for negativo, a Autoridade da Concorrência continuará a sua instrução e ao fim de 30 dias úteis (contadas da data da notificação e descontadas as interrupções que suspendem o prazo legal) e poderá pronunciar-se de três formas: que a operação não se encontra abrangida pelo procedimento de controlo de concentrações; não se opor à concentração; ou dar início a uma investigação aprofundada. Neste último caso, a AdC dispõe de um prazo máximo de 90 dias úteis para adotar uma decisão final.

Em 11 de agosto, o Conselho de Administração da Media Capital, que detém a TVI, considerou que a OPA “é oportuna e que as respetivas condições são adequadas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Tiago Melo

Crédito chega às famílias mas nunca foi tão baixo para as empresas

Francisco de Lacerda, CEO dos CTT

Especuladores têm aposta de 35 milhões na queda das ações dos CTT

Foto: DR

Luta pelos cargos de topo do BCE aquece. Espanha favorita no primeiro round

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Seis empresas interessadas sobre compra da TVI na Concorrência