Tecnologia

Selfie Pay. Falta pouco para pagar compras com a íris.

Sistema Selfie Pay identifica o utilizador pela íris através de fotografia tirada com smartphone. 
Foto: Mel MacLaine/Mastercard
Sistema Selfie Pay identifica o utilizador pela íris através de fotografia tirada com smartphone. Foto: Mel MacLaine/Mastercard

Cartões. MasterCard tem oito laboratórios de inovação que, entre outras coisas, estudam pagamentos através de validação biométrica .

Imagine este cenário. Está em frente à máquina que vende chocolates e batatas fritas do seu escritório e em vez de procurar moedas nos bolsos, puxa do telemóvel para pagar. Tira uma selfie e já está. O chocolate está pago. Esta é apenas uma das muitas formas de pagamento que serão reais num futuro próximo e que estão já a ser objeto de estudo na MasterCard.

Em Dublin, na sede da MasterCard Labs, visitada pelo DN/Dinheiro Vivo, uma das principais apostas é o desenvolvimento de soluções para pagamentos através de validação biométrica. E é aqui que entra a Selfie Pay – para verificar a identidade do consumidor através da íris, basta fotografar o olho com o telemóvel -, ou a pulseira Nymi, que mede os ritmos cardíacos únicos do cliente. O passo seguinte não tem grandes segredos: a informação circula “tokenizada” através do MasterCard Pass, ou seja, segue encriptada entre aparelhos e sem fornecer os dados do cartão ou do utilizador.

E voltamos ao exemplo inicial: máquinas de vending ou de lavar roupa (em lavandarias self-service) poderão funcionar sem dinheiro físico. Para os comerciantes, a poupança é a óbvia: terminam os problemas de transporte de moedas.
Apesar de Portugal não ser vanguardista nas novas tecnologias de pagamento, o uso de cartões contactless – introduzidos no país no verão de 2013 – está aumentar. No último trimestre de 2015, os pontos de venda aumentaram 175%, altura em que o valor médio por transação também subiu para 15 euros. Em toda a Europa, a MasterCard atingiu, durante o ano passado, mil milhões de transações contactless – mais 150% do que em 2014.

Feitas as contas, não há como escapar à quarta revolução, a não ser que se esteja disposto a pagar por isso. Hoje, um bilhete de avião ao balcão é mais caro do que online. “O futuro está aqui e estamos a trabalhar para anteciparmos o próximo futuro”, resumiu Gary Lyons, chief innovation officer da MasterCard.

E enquanto a internet das Coisas vai ligando eletrodomésticos a smartphones , “há milhões de pessoas que nunca têm direito a uma identidade, nem sequer a um registo de nascimento”, recorda Ann Cairns, presidente de mercados internacionais da MasterCard. Na África do Sul, conta, a empresa está a trabalhar com o governo num sistema, o MCAid, que garante que a população recebe as ajudas devidas. O MCAid é um cartão com chip, carregado com dinheiro ou pontos, que o utilizador utiliza para adquirir bens, autorizando a compra com um pin. “Não precisa de conta bancária e não corre o risco de ser assaltado”, resume Cairns, calculando que, também na Europa, e “sem falar de refugiados, existam 97 milhões de excluídos do sistema financeiro”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Imagem de 2013 do antigo Convento das Convertidas, em Braga. 
(Sérgio Freitas / Global Imagens)

Veja o mapa com os 50 imóveis que o Estado vai reabilitar para arrendar

Imagem de 2013 do antigo Convento das Convertidas, em Braga. 
(Sérgio Freitas / Global Imagens)

Veja o mapa com os 50 imóveis que o Estado vai reabilitar para arrendar

ANTÓNIO COTRIM / LUSA

Inquérito à CGD: Berardo, crise financeira e gestão danosa dividem deputados

Outros conteúdos GMG
Selfie Pay. Falta pouco para pagar compras com a íris.