media

Serviço de streaming da Disney está a chegar (e mais barato que Netflix)

Disney_Logo_On_Background-614x346

Disney+ chega aos EUA este ano e prevê entrar no mercado europeu em 2021.

O serviço de streaming Disney+ arranca a 12 de novembro nos Estados Unidos. A subscrição vai custar 6,99 dólares (cerca de 6,21 euros) por mês e 70 dólares por ano (62,14 euros), anunciou a Disney aos investidores na quinta-feira. A expansão para outros mercados está prevista para 2020, estando a Europa no horizonte da empresa em 2021.

O Disney+ apresenta um preço mais baixo que a Netflix, cujo plano base se situa atualmente nos 7,99 euros.

Com espaços dedicados à Disney, Pixar, Marvel, “Star Wars” e National Geographic, o serviço, que promete ser family-friendly, contará com os programas e filmes clássicos mas também com os mais recentes, numa tentativa de desafiar o domínio digital da Netflix. A Disney+ vai ainda disponibilizar as 30 temporadas de The Simpsons.

A Disney tem vindo a fornecer alguns filmes, como o “Black Panther” e a “Bela e o Monstro”, à Netflix depois de estes passarem nas salas de cinema, mas já deu como finalizado esse acordo este ano de modo a alimentar o seu próprio serviço. A companhia estimou que se tratará de uma poupança de 150 milhões de dólares (aproximadamente 133,17 milhões de euros) em licenciamentos, montante que será aplicado nas suas próprias plataformas.

Alguns dos novos filmes da Disney, como o remake da “Dama e o Vagabundo”, vão entrar diretamente na aplicação do serviço.

A companhia estabeleceu uma meta de atrair entre 60 e 90 milhões de assinantes até 2024. De acordo com a Reuters, para chegar a mais utilizadores, a Disney fechou acordos também com a Roku Inc. e a Sony para distribuir o serviço em consolas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça Pequim e ordena às empresas: “saiam da China”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Serviço de streaming da Disney está a chegar (e mais barato que Netflix)