media

Serviço de streaming da Disney está a chegar (e mais barato que Netflix)

DR
DR

Disney+ chega aos EUA este ano e prevê entrar no mercado europeu em 2021.

O serviço de streaming Disney+ arranca a 12 de novembro nos Estados Unidos. A subscrição vai custar 6,99 dólares (cerca de 6,21 euros) por mês e 70 dólares por ano (62,14 euros), anunciou a Disney aos investidores na quinta-feira. A expansão para outros mercados está prevista para 2020, estando a Europa no horizonte da empresa em 2021.

O Disney+ apresenta um preço mais baixo que a Netflix, cujo plano base se situa atualmente nos 7,99 euros.

Com espaços dedicados à Disney, Pixar, Marvel, “Star Wars” e National Geographic, o serviço, que promete ser family-friendly, contará com os programas e filmes clássicos mas também com os mais recentes, numa tentativa de desafiar o domínio digital da Netflix. A Disney+ vai ainda disponibilizar as 30 temporadas de The Simpsons.

A Disney tem vindo a fornecer alguns filmes, como o “Black Panther” e a “Bela e o Monstro”, à Netflix depois de estes passarem nas salas de cinema, mas já deu como finalizado esse acordo este ano de modo a alimentar o seu próprio serviço. A companhia estimou que se tratará de uma poupança de 150 milhões de dólares (aproximadamente 133,17 milhões de euros) em licenciamentos, montante que será aplicado nas suas próprias plataformas.

Alguns dos novos filmes da Disney, como o remake da “Dama e o Vagabundo”, vão entrar diretamente na aplicação do serviço.

A companhia estabeleceu uma meta de atrair entre 60 e 90 milhões de assinantes até 2024. De acordo com a Reuters, para chegar a mais utilizadores, a Disney fechou acordos também com a Roku Inc. e a Sony para distribuir o serviço em consolas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ministro da Economia Pedro Siza Vieira, no Roteiro Automóvel, visitou a PSA e conduziu um dos carros fabricados em Mangualde.  (João Silva / Global Imagens )

Governo quer choque elétrico nas fábricas de automóveis

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

despedimentos coletivos

Despedimentos coletivos voltam a subir em 2019 e arrasam no Norte

Serviço de streaming da Disney está a chegar (e mais barato que Netflix)