Transporte aéreo

Sevenair contesta exclusão do concurso para linha aérea Madeira – Porto Santo

Fotografia: direitos reservados
Fotografia: direitos reservados

A Sevenair vai contestar a exçlusão do concurso público para a exploração dos serviços aéreos regulares, na rota Porto Santo-Funchal-Porto Santo.

A administração da Sevenair anunciou este domingo que vai contestar ter sido excluída do concurso público internacional para a exploração dos serviços aéreos regulares, em regime de concessão, na rota Porto Santo-Funchal-Porto Santo.

“A Sevenair confirma a receção do relatório preliminar relativo ao concurso público internacional para a exploração dos serviços aéreos regulares, em regime de concessão, na rota Porto Santo-Funchal-Porto Santo”, diz hoje a empresa em comunicado.

A Sevenair recorda que “é uma empresa 100% portuguesa que tem assegurado, ao longo dos últimos três anos, o serviço público de transporte aéreo entre o Porto Santo e Funchal”, o qual, assegura, “tem sido prestado cumprindo escrupulosamente o caderno de encargos que esteve na sua origem”.

“No verão passado – continua o comunicado – a Sevenair aceitou prorrogar, a pedido do Governo [da República] e até ao dia 5 de junho deste ano, o seu serviço inter-ilhas. Fê-lo, sabendo da importância que a regularidade e a previsibilidade das carreiras se revestem, sobretudo para os moradores do Porto Santo e do Funchal, mas também para o setor do turismo”.

A Sevenair diz que partiu para este concurso “na qualidade de operador aéreo profundamente familiarizado com a operação logística e de transporte aéreo”.

“Em toda a duração de tempo da concessão não existiu um único incidente que possa ser apontado”, salienta, acrescentando que “o conhecimento da operação, adequação das aeronaves a este tipo de voos de curta duração, a otimização de procedimentos e um serviço que foi sempre prestado atendendo à superior satisfação dos interesses dos clientes são argumentos facilmente comprováveis e verificáveis”.

Por isso, a empresa refere que encarou “este procedimento concursal como uma oportunidade clara de apresentar a melhor proposta”.

“Estamos convictos de que o fizemos”, declara, anunciando que a empresa, que foi notificada sexta-feira, tem cinco dias para se pronunciar.

“Fá-lo-emos, seguramente, em tempo útil, em defesa da nossa proposta, das regras do caderno de encargos, do serviço e do erário públicos”, conclui.

Em 20 de fevereiro, a vice-presidência do Governo Regional da Madeira divulgou que três companhias estão a concorrer ao concurso público internacional para a adjudicação da prestação de serviços aéreos regulares, em regime de concessão, da rota Madeira – Porto Santo – Madeira.

As companhias são a LFAS – Lease Fly Aviation Services SA, a Binter Canárias SA e a Aero Vip – Companhia de Transporte e Serviços Aéreos SA (Sevenair).

As propostas serão analisadas e sujeitas a um relatório preliminar, estando o processo a ser liderado pelo XXI Governo da República, no Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, através da secretaria de Estado das Infraestruturas.

A concessão, de acordo com o Diário da República de 03 de março de 2017, será pelo período de três anos, no valor de cerca de 5,6 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Miguel Gil Mata,  presidente executivo, da Sonae Capital, nos estúdios da TSF.
Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Sonae reduz portefólio Imobiliário e investe em Energia

Fotografia: DR

Elliott quer EDP nas renováveis. Mas tem forçado vendas nos EUA

. Peruvian Presidency/Handout via REUTERS

Peru, um milagre económico à espera de ser descoberto

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Sevenair contesta exclusão do concurso para linha aérea Madeira – Porto Santo