empresários

Showroomprive quer vender as melhores marcas portuguesas

Ricardo Ruiz, diretor da Showroomprive
Ricardo Ruiz, diretor da Showroomprive

A empresa de vendas privadas online, Showroomprive, quer ter mais marcas portuguesas para juntar aos seu portfólio de 1600 marcas de moda francesas, espanholas, italianas e inglesas e divulga-las aos 16,2 milhões de utilizadores registados no site.

No ano passado a empresa teve uma faturação de 350 milhões de euros a nível global e, em Portugal, as vendas atingiram os 10 milhões de euros, registando um crescimento de 150% face aos 4 milhões de euros, de 2012. O número de utilizadores em Portugal cresceu de 500 mil para 1 milhão, o que foi “excelente”, salientou o diretor de compras para a Ibéria da empresa, Ricardo Ruiz.

Leia Também O que é que a roupa portuguesa tem? Quase três quartos vão para fora?

Agora o objetivo é conquistar marcas nacionais que pretendem exportar e escoar os seus stocks através da Showroomprive.

“Nós vendemos moda. E o têxtil, calçado, acessórios, carteiras, marroquinaria, vestuário de criança e o têxtil-lar são setores onde há muito boa produção em Portugal. A nossa ideia é encontrar empresas portuguesas com capacidade de produção e de exportação suficientes para abastecer os oito países onde estamos presentes e desta forma exportar também a marca Portugal”, explicou Ricardo Ruiz.

O diretor de compras para a Ibéria da empresa francesa esteve no Porto para se reunir com empresas nacionais, a convite do AICEP Portugal. Ricardo Ruiz adiantou que teve reuniões com 30 empresas portuguesas e que espera “conquistar algumas marcas portuguesas para iniciar uma relação a longo prazo. O objetivo é que possamos vender os seus stocks mas também ajudar as marcas na parte da comunicação para que possam crescer noutro países”, resumiu o responsável.

Ainda sem um número de marcas definido, Ricardo Ruiz explicou que têm “poucas marcas portuguesas” no site e que a meta da Showroomprive é “trabalhar com as melhores marcas que encontremos em Portugal”.

O sistema de negócio da empresa da Showroomprive baseia-se na venda on-line para o consumidor final de artigos de coleções descontinuadas que as marcas não conseguiram vender e que tenham em stock, com descontos que vão até aos 70%.

“É uma maneira de ajudar as empresas a converter em liquidez algo que têm imobilizado em armazém. Também ajudamos as empresas a exportar de uma maneira mais acessível. As exportações de maneira tradicional são muito caras e connosco são grátis. A única diferença é que compramos um produto mais barato e nós temos uma percentagem de margem sobre os produtos que vendemos”, explicou o responsável.

A Showroomprive nasceu há 20 anos como empresa de liquidação de stocks em lojas e em 2006 começou a fazer as vendas on-line. Atualmente estão presentes em 8 países europeus, mas preveem chegar ao final deste ano com presença em 11 países. 70% das marcas comercializadas são francesas e os restantes 30% são espanholas, inglesas e italianas.

Segundo Ricardo Ruiz nas vendas on-line ( e-commerce) a nível mundial ocupam a sétima posição. Já no comércio eletrónico através de dispositivos móveis são “o player número um” na aplicação Flash 6, “com 40% do tráfego através de dispositivos móveis e com cerca de 30% a 35% das transações comerciais a serem realizadas por este meio.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Exportações em queda

Exportações nacionais caíram 39% em maio

João Rendeiro, ex-gestor do BPP

João Rendeiro, ex-presidente do BPP, condenado a pena de prisão

Amesterdão, Países Baixos. Foto: D.R.

Portugal perde quase 600 milhões de euros de receita de IRC para offshores

Showroomprive quer vender as melhores marcas portuguesas