Economia

Siderurgia Nacional do Seixal acusa Associação da TML de “litigância de má fé”

Seixal

A Siderurgia Nacional do Seixal acusou a Associação da Terra da Morte Lenta de “litigância de má fé” e pediu uma indemnização superior a um milhão de euros, em resposta a uma ação movida contra si por poluição.

Em comunicado, a Siderurgia Nacional do Seixal (SN) explica que a sua contestação à ação popular cível foi entregue hoje “juntamente com um pedido de condenação da autora por litigância de má-fé, no montante de 1.008.119,49 euros”.

Segundo a empresa, em causa está a alegada contaminação ambiental que a Associação da Terra da Morte Lenta imputa à atividade desenvolvida na fábrica do Seixal.

O Tribunal de Almada admitiu em fevereiro uma ação popular cível contra a Siderurgia Nacional do Seixal, no distrito de Setúbal, devido à poluição atmosférica alegadamente causada por esta indústria.

Na ação popular cível, a Associação Terra da Morte Lenta pede a suspensão imediata da atividade até serem resolvidas as questões básicas e administrativas em causa e uma indemnização de 500 milhões de euros, valor que diz ter em conta o número de habitantes nesta zona, “cerca de 100 mil pessoas”, e que se destina a um fundo que será explorado por entidades como a Câmara do Seixal, o Instituto Ricardo Jorge ou a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), com o objetivo de “melhorar a qualidade do ar”.

Na contestação a esta ação popular cível, a Siderurgia Nacional do Seixal afirma que “tendo em conta as contradições, incoerências e falta de fundamento manifestados na petição inicial, pede ao Tribunal que condene a Associação da Terra da Morte Lenta como litigante de má-fé, uma vez que esta tinha a obrigação de conhecer a falsidade e o caráter infundado das acusações que lança sobre a atividade da SN Seixal praticamente a todos os níveis, com graves e inegáveis repercussões comerciais, financeiras e reputacionais”.

A empresa, representada pelos advogados Rui Patrício e Mariana Soares David, explica que a sua defesa se baseia em quatro pontos essenciais, entre os quais a data de início de elaboração.

A defesa da SN Seixal afirma que a empresa apenas foi constituída em 2004, apesar de a Associação da Terra da Morte Lenta pretender responsabilizá-la por alegados danos ao ambiente e à saúde pública decorrentes de um período de 60 anos.

“Entre 1975 e 1995, a fábrica do Seixal esteve nas mãos do Estado português e só em 2002 é que passou a ser operada pela empresa SN Longos reprivatizada, que mais tarde constituiu a SN Seixal”, refere aquela empresa.

Por outro lado, a empresa acusa a Associação da Terra da Morte Lenta de omitir que a responsabilidade por todos os trabalhos e custos relacionados com a “contaminação ambiental histórica” foi assumida pelo Estado português, através da empresa Urbindústria, atualmente denominada Baía do Tejo.

Na contestação, a defesa da empresa sublinha ainda que a atividade desenvolvida pela SN Seixal é minuciosamente regulada e fiscalizada por diversos normativos e entidades, cumprindo com os requisitos impostos.

“Nessa medida, é falso que a SN Seixal viole os valores limite de emissão relativos às emissões para a atmosfera de substâncias poluentes ou que não previna ou minimize a poluição atmosférica e/ou sonora”, escreve a empresa, adiantando também que a SN Seixal “cumpre com as melhores técnicas disponíveis aplicáveis à sua atividade e tem implementadas várias medidas para minimização dos eventuais impactos daí resultantes”.

A empresa garante que a produção siderúrgica na fábrica do Seixal é realizada “com recurso à nova tecnologia do forno de arco elétrico (a tecnologia standard em toda a Europa, por ser mais moderna, com um impacto ambiental substancialmente inferior e com maior eficiência energética)”.

O uso desta tecnologia, garante a SN Seixal, permite utilizar e reciclar uma matéria-prima existente em Portugal (a sucata ferrosa) e transformar o principal resíduo daí resultante num produto com certificação CE e com utilização crescente em obras de construção civil e de pavimentação (o ASIC).

A defesa da empresa afirma ainda que “a SN Seixal é responsável pela reciclagem de quase toda a sucata ferrosa produzida em Portugal, tendo um papel muito relevante no desenvolvimento da Economia Circular nacional”.

Na contestação apresentada, a empresa alega ainda que “a Associação da Terra da Morte Lenta se limita a imputar à SN Seixal – fazendo tábua rasa das muitas atividades industriais e outras existentes na região – um conjunto de riscos teóricos e hipotéticos para o meio ambiente e para a saúde pública, os quais são contrariados pelos dados médicos e estatísticos disponíveis”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(TIAGO PETINGA/LUSA)

Procuram-se especialistas para indústria em alto voo

LISBOA, 02/05/2019  - Convidado do programa “A Vida do Dinheiro” - António Bernardo
(João Silva/Global Imagens)

António Bernardo: “O modelo económico e social europeu é um modelo de futuro”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Siderurgia Nacional do Seixal acusa Associação da TML de “litigância de má fé”