software

Siemens. Receitas com tecnologias digitais aumentam 20%

Siemens_sede

Investimento em I&D cresce para 5,6 mil milhões de euros

A Siemens reforçou, em 2017, a sua posição na área das soluções de software e serviços digitais e fechou o ano com um aumento de 20% nas receitas provenientes das tecnologias digitais, que atingiram os 5,2 mil milhões de euros. A multinacional alemã lembra que a taxa de crescimento média do mercado que se situa nos 8%.

Foi há cerca de um ano que a Siemens introduziu o seu sistema operativo MindSphere IoT em toda a empresa, e agora cerca de um milhão de dispositivos e sistemas estão conectados através desta plataforma. As previsões são para que este número aumente para 1,25 milhões até ao final do exercício de 2018.

“A Siemens está a reforçar a sua liderança no campo da digitalização, ao ser a primeira empresa a nível mundial a criar Centros para Aplicações Digitais para o sector industrial. Neste momento, cerca de 900 software developers, especialistas em dados e engenheiros trabalham nestes centros com os clientes da Siemens, para desenvolver inovações digitais para a análise de dados e aprendizagem automática. Estas novas soluções estão a ser desenvolvidas na plataforma MindSphere, o sistema operativo aberto baseado na nuvem da Siemens para a Internet das Coisas (IoT)”, destaca a multinacional em comunicado.

Para 2018, e tendo em vista acelerar, ainda mais, o processo de inovação, a Siemens reforça o seu orçamento para investigação e desenvolvimento com um valor adicional de cerca de 450 milhões, totalizando um investimento em I&D acima dos 5,6 mil milhões de euros.

Deste total, a Siemens reservou cerca de 500 milhões de euros para investigar e desenvolver “tecnologias vitais para a empresa”, visando áreas de inovação como a manufatura aditiva, robótica autónoma, análise de dados, inteligência artificial, gémeos digitais e ainda eletrónica de potência e sistemas de energia distribuídos. A multinacional tinha, em 2017, cerca de 40 mil colaboradores de I&D em todo o mundo.

Em Portugal, a Siemens tem focado a sua aposta na criação de Laboratórios Aplicacionais e Centros de Experimentação, onde os seus profissionais se juntam a clientes, parceiros, alunos e investigadores com o objetivo de desenvolver novas tecnologias para as áreas da Indústria e das Infraestruturas para edifícios e mobilidade, como a sinalização ferroviária.

É o caso do Building Automation Center, que a empresa desenvolveu na sua sede em Alfragide, e que consiste num laboratório para o desenvolvimento de novas soluções, aplicações e formação em gestão de edifícios e infraestruturas inteligentes que possibilitam a simulação de ecossistemas, tais como os característicos do setor da saúde. Outro exemplo são os I-Experience 4.0 Centers que a empresa está a desenvolver em Alfragide e Leiria. Estes são centros tecnológicos de experimentação, que visam apoiar o desenvolvimento de projetos destinados à indústria, e fazem parte da Academia Siemens 4.0, uma das medidas estratégicas apresentadas pelo Governo que resultaram da iniciativa Indústria 4.0.

“Os novos centros e laboratórios técnicos agora instalados são formados por equipas multidisciplinares de engenharia, potenciando a transformação digital através do desenvolvimento de aplicações juntamente com os nossos clientes”, sublinha Pedro Pires de Miranda, CEO da Siemens em Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Siemens. Receitas com tecnologias digitais aumentam 20%