Prémio Inovação NOS

Simular obras ao milímetro

A carregar player...

Site permite escolher materiais e saber quanto vai custar uma remodelação. O cliente pode fazer ajustes via online.

Se quiser fazer obras em casa, saber exatamente quanto vai gastar e não tem tempo para escolher materiais, a MyBuild In pode ajudar, graças a um simulador que permite a qualquer pessoa escolher e saber, ao cêntimo, quanto custam os materiais e os trabalhos necessários para remodelar um imóvel, da ideia inicial à conclusão.

Esta ferramenta gratuita e de livre acesso é uma inovação mundial criada por uma empresa portuguesa que foi finalista no MoviMente – Prémios Novos Empreendedores 2017, em São Paulo, e no Prémio Inovação NOS.

“O simulador de obras permite inserir dados da sua casa como a área, tipologia e o número de casas de banho. Com estes elementos é possível ter logo uma ideia aproximada do custo da remodelação do imóvel”, diz Rodrigo Lima, arquiteto e um dos quatro sócios da empresa. No site há ainda uma panóplia de materiais de construção à escolha, os custos, bem como o preço da sua aplicação. Na posse destes dados, e de forma digital, consegue-se determinar o valor exato da obra.

Ao navegar no simulador, vão-se escolhendo as áreas de intervenção e os materiais a aplicar. Ao mesmo tempo, a plataforma cria vários documentos, dos mais simples aos mais técnicos, cada qual com o seu destinatário: proprietário, empreiteiro ou arquiteto.

Além do cálculo baseado essencialmente na tipologia e na área a remodelar, houve necessidade de criar outra hipótese de simulação. “Consoante a pessoa decide fazer obras, pode ir refinando a escolha (ver se as medidas são exatamente as mesmas que tem em casa, escolher portas, janelas, colocar materiais, etc.). Ao personalizar a sua obra, o rigor aumenta e o nosso sistema começa a compilar documentação técnica que é o caderno de encargos, crucial para fazer a obra”, explica Carlos Queirós, outro dos sócios e o responsável pela web e a comunicação digital da MyBuild In.

O caderno de encargos é o guia da obra, mas ninguém gosta de o fazer. Dos arquitetos, aos construtores, esta é uma ferramenta de trabalho “mal-amada”. Perante isto, decidiram “colocar o cliente a trabalhar para si, de forma cómoda, rápida e eficaz. E é isso que dá resposta à pergunta crucial: ‘Quanto custa a obra?’”.

Rodrigo Lima e Carlos Queirós acreditam que é a primeira vez que um simulador de obras inclui a intervenção direta do cliente, disponibilizando valores em tempo real. No entanto, garantem que “nunca foi tão simples para um leigo acompanhar uma obra como agora, quando tem na mão um caderno de encargos com a descrição exaustiva do trabalho, por divisão e rubrica”.

Todos os acertos e correções às simulações são feitos pelos arquitetos que dão suporte aos utilizadores, online e no local.

A criação da plataforma digital demorou dois anos e meio e contou com o apoio de profissionais da construção, design ou de informática. O aval foi dado também por marcas nacionais que fornecem materiais de construção e que se associaram ao projeto permitindo a compilação de catálogos de produtos como revestimentos, portas, janelas, sanitários ou eletricidade. No fundo, tudo que é necessário para remodelar um espaço.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Simular obras ao milímetro