Sindicato

Sindicato diz que adesão à greve nas lojas da EDP é “quase total”

Fotografia: direitos reservados
Fotografia: direitos reservados

A adesão dos trabalhadores das lojas da EDP à greve de 24 horas marcada para hoje é "quase total", diz o Sindicato Nacional da Indústria e da Energia.

“A adesão é quase total e apenas estão abertas ao público duas lojas [da EDP] a nível nacional”, refere em comunicado o SINDEL, afeto à UGT.

Cerca de 30 trabalhadores das lojas da EDP concentraram-se hoje junto à loja no Marquês de Pombal, em Lisboa, onde entregaram à população folhetos dando a conhecer a sua situação e as suas reivindicações, tendo decorrido no Porto uma ação idêntica.

Em declarações à agência Lusa, a dirigente do SINDEL Rosa Fernandes, que participou na concentração em Lisboa, explicou à Lusa que “a EDP tem vários prestadores de serviços a operar a nível nacional nas diversas lojas e que há um caderno de encargos onde estão previstas algumas condições, nomeadamente, aumentos salariais, mas que não há resposta por parte” da empresa, pelo que os trabalhadores decidiram avançar para a greve.

“Os trabalhadores estão [também] com situações salariais desiguais a nível nacional dependendo do prestador de serviços ao qual estão entregues, o que “não é justo, pois executam os mesmos trabalhos”, salientou a dirigente sindical.

Rosa Fernandes disse igualmente que os trabalhadores das lojas da EDP queixam-se da insegurança vivida nas mesmas e no transporte de valores, pelo que “há que resolver estes problemas”, lembrando que são eles que “todos os dias dão a cara e vestem a camisola da EDP”.

O SINDEL diz que quer que “a EDP olhe para estes trabalhadores, não os descarte, porque eles estão na terra de ninguém. Para umas coisas são trabalhadores da EDP e para outras coisas são trabalhadores do prestador de serviços”.

“Não pode ser, porque eles trabalham a uma só voz e têm objetivos muito concretos definidos pela EDP em termos de qualidade de serviços. Se eles cumprem, a empresa pela qual dão a cara todos os dias também deve olhar para eles”, advertiu a dirigente sindical.

A Lusa contactou a EDP e aguarda uma resposta da empresa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Patrick Drahi lidera grupo Altice. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Altice “culpa” demora da decisão dos reguladores para fim do negócio com TVI

Altice Logo 2

Analistas. “É difícil vermos uma nova tentativa de aquisição pela Altice”

Outros conteúdos GMG
Sindicato diz que adesão à greve nas lojas da EDP é “quase total”