Trabalho

Sindicato quer aproximar condições de Uber Eats e Glovo à concorrência

Vila Nova de Gaia Uber Eats

Falta de contrato de trabalho, de férias, subsídios e de seguro para acidentes são algumas das queixas da área da restauração do Norte.

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte irá reunir-se esta quinta-feira com distribuidores da Uber Eats e Glovo, para aproximar as suas condições de trabalho às dos concorrentes.

Fonte sindical revelou à Lusa que o encontro, na sede do sindicato, pretende “comparar as condições de trabalho com aquelas que são oferecidas pelas empresas concorrentes de distribuidores de refeições, como a Pizza Hut e a Telepizza”.

A reunião irá ainda “eleger uma comissão e elaborar uma carta reivindicativa para melhorar as condições de vida e trabalho”, referiu a mesma fonte.

O sindicato garantiu também que as multinacionais como a Uber Eats e a Glovo “não contratam diretamente os funcionários, que são contratados por outras empresas e isso está a criar polémica porque essas empresas estão a explorar desenfreadamente os trabalhadores”.

“Em geral são pessoas que formam empresas e contratam trabalhadores especificamente para esta atividade, mas os colaboradores estão todos a recibo verde. Questionamos a ACT [Autoridade para as Condições de Trabalho] há um ano sobre esta questão e ainda não recebemos resposta”, referiu a mesma fonte.

Ainda assim, a reunião pretende “encontrar pontos de consenso para apresentar às empresas que têm estas plataformas”.

O caderno reivindicativo a ser elaborado pelo sindicato pretende ainda “afastar situações de completa ilegalidade porque há trabalhadores que põem o pai ou outras pessoas a passar o recibo e isso é trabalho clandestino”.

Numa nota enviada à Lusa, o sindicato detalhou que “estes trabalhadores não têm contrato de trabalho, são todos contratados a recibo verde, não têm seguro contra acidentes de trabalho, ficam numa situação muito vulnerável em caso de doença ou desemprego, não têm direito a férias, subsídio de férias, subsídio de natal, alimentação em espécie ou subsídio noturno, salário mínimo”.

No mesmo comunicado, a estrutura sindical dá ainda conta de uma “campanha nos restaurantes, cafés, pastelarias e similares contra o trabalho clandestino”, que deverá rondar, de acordo com o organismo, os 90 mil trabalhadores a nível nacional.

O sindicato refere que “o trabalho não declarado, os recibos verdes ilegais, o abuso dos contratos a termo mal fundamentados, os ritmos de trabalho intensos, os horários longos, infindáveis e imprevisíveis e o incumprimento dos direitos da contratação coletiva” são “formas de precariedade” que acabam por afastar os trabalhadores do setor.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
David Cameron, no Forum Económico Mundial 2020, em Davos. DR.

Davos. Os negócios, a política, o ambiente e os “do contra”

Ilustração: Vítor Higgs

Espanhóis e chineses na corrida para entrar no capital do EuroBic

Procurador-Geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós (EPA/MARIO CRUZ)

PGR angolano afasta mais arguidos portugueses no caso Isabel dos Santos

Sindicato quer aproximar condições de Uber Eats e Glovo à concorrência