aviação

Sindicatos denunciam planos da Ryanair para encerrar bases em Espanha

Fotografia: Ralph Orlowski/ Reuters.
Fotografia: Ralph Orlowski/ Reuters.

As estruturas sindicais resolveram avançar com uma greve, ainda sem data concreta, mas apontando para setembro.

A Ryanair anunciou hoje, em reunião com sindicatos espanhóis que representam os tripulantes, que tinha planos para encerrar as bases de Las Palmas, Tenerife Sur e Girona, segundo um comunicado das estruturas sindicais.

Num encontro com o Sitclpla e USO, a Ryanair anunciou que iria fechar as bases de Las Palmas e Tenerife Sur no próximo dia 08 de janeiro e indicou também o possível encerramento da estrutura de Girona, ainda sem data concreta.

As estruturas sindicais resolveram, por isso, avançar com uma greve, ainda sem data concreta, mas apontando para setembro, e justificando a decisão com o “comportamento abusivo desta companhia”, segundo a mesma nota. Não foram quantificados os despedimentos que serão originados por esta decisão.

“É injustificável esta vitimização da empresa face a supostos prejuízos, quando é uma empresa com um aumento constante nos lucros”, segundo Manuel Lodeiro, do Sitclpla, citado no comunicado.

Os sindicatos e a companhia aérea ‘low cost’ tinham marcado esta reunião para debater o contrato coletivo de trabalho, mas não houve avanços nesta matéria.

A empresa pediu depois às estruturas sindicais um outro encontro, a seguir à reunião original, sem mediação, onde anunciou os encerramentos, de acordo com a nota.

A Ryanair comunicou esta terça-feira, em Faro, que iria encerrar a base naquele aeroporto em janeiro de 2020, e despedir cerca de 100 trabalhadores, embora mantenha os voos, revelou à Lusa a presidente do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), Luciana Passo.

A mesma dirigente avançou, na terça-feira, que uma diretora de recursos humanos da Ryanair esteve naquele dia em Faro para anunciar o encerramento.

No dia 01 de agosto, a Ryanair admitiu que poderá despedir até 500 pilotos e 400 tripulantes de cabine, devido ao impacto do brexit (saída do Reino Unido da União Europeia), ao aumento do preço dos combustíveis e ao atraso na entrega dos aviões Boeing 737 Max.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Jerónimo Martins é dona do Pingo Doce

Lojas Pingo Doce “que estavam perto da Mercadona cresceram”

Hebe

Jerónimo Martins expande marca Hebe para Eslováquia e República Checa

Sindicatos denunciam planos da Ryanair para encerrar bases em Espanha