CGD

Sindicatos e direção da CGD França suspendem negociações

Caixa Geral de Dep—ositos -

Os sindicatos não aceitaram as propostas apresentadas pela direção mas vai "continuar a luta", garantiu Cristina Semblano, porta-voz da intersindical.

As negociações entre a direção da sucursal francesa da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e os sindicatos estão suspensas e a Intersindical FO-CFTC promete que vai “continuar a luta”.

A intersindical FO-CFTC e a comissão de negociação dos trabalhadores “não aceitaram a proposta apresentada pela direção” durante as negociações na presença de um mediador nomeado pelo Tribunal de Grande Instância de Paris, explicou à Lusa Cristina Semblano, porta-voz da intersindical.

“Consideramos que essa proposta não oferecia garantias suficientes, atendendo à incerteza que paira no ar no que diz respeito ao futuro da sucursal de França da CGD e, sobretudo, não podíamos de forma alguma aceitar a moeda de troca que a administração colocou em cima da mesa”, afirmou.

Cristina Semblano disse que “a moeda de troca” era “renunciar às ações judiciais em curso ou vindouras contra a CGD”, nomeadamente “a renúncia em obter as atas dos conselhos de administração desde 2013 e todas as informações conexas a essas atas”.

A entrega desses documentos foi ordenada pelo Tribunal de Grande Instância de Paris, a 26 de junho, numa decisão em que a justiça francesa indeferiu o pedido da intersindical FO-CFTC e da comissão de trabalhadores de terem acesso ao Plano industrial de 2013 e ao Plano de Reestruturação de 2016 da Caixa Geral de Depósitos.

c, nomeadamente com o recurso apresentado para a obtenção do Plano industrial de 2013 e do Plano de Reestruturação de 2016 “que contém informação sobre o futuro da sucursal de França” e com “ações que vão entrar no que diz respeito a problemas que se estão a passar no pós-greve, com trabalhadores que estão a ser vítimas de discriminação e mesmo de assédio”.

Questionada sobre se vai haver novas manifestações e uma outra greve, depois da paralisação que durou de 17 de abril a 30 de junho e que foi acompanhada por dez protestos nas ruas de Paris, Cristina Semblano referiu que a decisão será tomada pelos trabalhadores em assembleia-geral na segunda quinzena de setembro.

Os dois meses e meio de greve não foram apoiados pelos sindicatos CGT e CFDT que, no âmbito das negociações, “estavam dispostos a assinar o protocolo de fim de conflito porque as reivindicações foram satisfeitas”, disse à Lusa Carmen Camp, delegada sindical da CFDT.

A sucursal em França da CGD tem 48 agências e mais de 500 trabalhadores.

A redução da operação da CGD fora de Portugal (nomeadamente Espanha, França, África do Sul e Brasil) foi acordada em 2017 com a Comissão Europeia como contrapartida da recapitalização do banco público.

Em maio, o presidente da CGD, Paulo Macedo, afirmou querer manter a operação da CGD em França e adiantou que está a negociar isso com as autoridades europeias.

A redução da operação da CGD acordada com a Comissão Europeia passa também pelo fecho de 180 balcões em Portugal até 2020, 70 dos quais encerram ainda este ano.

Em 2017, fecharam 67 balcões, pelo que, com o encerramento destas 70 agências, a CGD terá ainda de fechar mais 43 balcões nos próximos dois anos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Sindicatos e direção da CGD França suspendem negociações