CGD

Sindicatos e direção da CGD França suspendem negociações

Caixa Geral de Dep—ositos -

Os sindicatos não aceitaram as propostas apresentadas pela direção mas vai "continuar a luta", garantiu Cristina Semblano, porta-voz da intersindical.

As negociações entre a direção da sucursal francesa da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e os sindicatos estão suspensas e a Intersindical FO-CFTC promete que vai “continuar a luta”.

A intersindical FO-CFTC e a comissão de negociação dos trabalhadores “não aceitaram a proposta apresentada pela direção” durante as negociações na presença de um mediador nomeado pelo Tribunal de Grande Instância de Paris, explicou à Lusa Cristina Semblano, porta-voz da intersindical.

“Consideramos que essa proposta não oferecia garantias suficientes, atendendo à incerteza que paira no ar no que diz respeito ao futuro da sucursal de França da CGD e, sobretudo, não podíamos de forma alguma aceitar a moeda de troca que a administração colocou em cima da mesa”, afirmou.

Cristina Semblano disse que “a moeda de troca” era “renunciar às ações judiciais em curso ou vindouras contra a CGD”, nomeadamente “a renúncia em obter as atas dos conselhos de administração desde 2013 e todas as informações conexas a essas atas”.

A entrega desses documentos foi ordenada pelo Tribunal de Grande Instância de Paris, a 26 de junho, numa decisão em que a justiça francesa indeferiu o pedido da intersindical FO-CFTC e da comissão de trabalhadores de terem acesso ao Plano industrial de 2013 e ao Plano de Reestruturação de 2016 da Caixa Geral de Depósitos.

c, nomeadamente com o recurso apresentado para a obtenção do Plano industrial de 2013 e do Plano de Reestruturação de 2016 “que contém informação sobre o futuro da sucursal de França” e com “ações que vão entrar no que diz respeito a problemas que se estão a passar no pós-greve, com trabalhadores que estão a ser vítimas de discriminação e mesmo de assédio”.

Questionada sobre se vai haver novas manifestações e uma outra greve, depois da paralisação que durou de 17 de abril a 30 de junho e que foi acompanhada por dez protestos nas ruas de Paris, Cristina Semblano referiu que a decisão será tomada pelos trabalhadores em assembleia-geral na segunda quinzena de setembro.

Os dois meses e meio de greve não foram apoiados pelos sindicatos CGT e CFDT que, no âmbito das negociações, “estavam dispostos a assinar o protocolo de fim de conflito porque as reivindicações foram satisfeitas”, disse à Lusa Carmen Camp, delegada sindical da CFDT.

A sucursal em França da CGD tem 48 agências e mais de 500 trabalhadores.

A redução da operação da CGD fora de Portugal (nomeadamente Espanha, França, África do Sul e Brasil) foi acordada em 2017 com a Comissão Europeia como contrapartida da recapitalização do banco público.

Em maio, o presidente da CGD, Paulo Macedo, afirmou querer manter a operação da CGD em França e adiantou que está a negociar isso com as autoridades europeias.

A redução da operação da CGD acordada com a Comissão Europeia passa também pelo fecho de 180 balcões em Portugal até 2020, 70 dos quais encerram ainda este ano.

Em 2017, fecharam 67 balcões, pelo que, com o encerramento destas 70 agências, a CGD terá ainda de fechar mais 43 balcões nos próximos dois anos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
dinheiro-vivo-1060x594-1546598179

Dinheiro Vivo é pela primeira vez líder dos económicos no digital

dinheiro-vivo-1060x594-1546598179

Dinheiro Vivo é pela primeira vez líder dos económicos no digital

O vice-presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, Pedro Henriques (C), fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa sobre o fim da greve dos motoristas de matérias perigosas, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Sindicato prevê abastecimento de combustíveis normalizado em dois dias

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Sindicatos e direção da CGD França suspendem negociações