Tecnologia

Smartphones Huawei vão ser atualizados, garante a marca

Huawei | Google | Android

Em causa está a utilização do sistema operativo Android em milhões de smartphones da marca chinesa.

A Huawei já respondeu à suspensão de negócios anunciada pela Google e que pode colocar em causa uma parte do negócio de dispositivos móveis da empresa.

“A Huawei vai continuar a providenciar atualizações de segurança e serviços pós-venda para todos os smartphones Huawei e Honor existentes e tablets, assegurando cobertura para todos os que já foram vendidos e ainda estão em stock a nível global”, lê-se na declaração enviada à publicação The Verge.

“Vamos continuar a construir um ecossistema de software seguro e sustentável, por forma a providenciar a melhor experiência para os utilizadores a nível global”, lê-se ainda.

Apesar de curta, a declaração funciona como uma promessa da Huawei relativamente a todos os que têm um smartphone da empresa. Continua por responder o que vai acontecer aos novos smartphones da marca em termos de sistema operativo, atualizações de segurança e aplicações pré-instaladas.

Leia também | O que valem as quatro lentes do Huawei P30 Pro? Damos a resposta

O impacto da decisão de suspensão de negócios por parte da Google pode ser grande: a Huawei é a segunda maior vendedora de smartphones a nível mundial, apenas atrás da Samsung, tendo expedido mais de 200 milhões de unidades em 2018. Em Portugal a marca é líder de mercado, tendo ultrapassado a Samsung.

Em causa está uma ordem executiva do presidente dos EUA, Donald Trump, que na semana passada colocou a gigante chinesa na ‘lista negra’ de organizações com as quais as empresas norte-americanas não podem fazer negócio.

Muitos antes desta notícia, já Richard Yu, líder da divisão de dispositivos móveis da Huawei, admitia que a tecnológica tem um sistema operativo próprio pronto, caso não possa mais usar o Android. “Preparámos o nosso próprio sistema operativo, para o caso de já não podermos usar estes sistemas, vamos estar prontos para usar o nosso plano B”, referiu o executivo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Outros conteúdos GMG
Smartphones Huawei vão ser atualizados, garante a marca