prémio dona antónia

Sogrape. “Homenagem às mulheres e ao espírito empreendedor”

sogrape

João Gomes da Silva, administrador da Sogrape Vinhos, fala dos prémios Dona Antónia, que vão já na sua 30ª edição

Ana Pinho, presidente da Fundação de Serralves, e Nádia Piazza, líder da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, são as vencedoras do Prémio Dona Antónia Adelaide Ferreira 2017, respetivamente, nas categorias de Consagração de Carreira e de Revelação. João Gomes da Silva, administrador da Sogrape Vinhos, falou ao Dinheiro Vivo sobre a importância do prémio, que vai já na sua 30ª edição, e que distinguiu nomes tão diversos como Teodora Cardoso, Isabel Jonet, Maria da Purificação Tavares, Maria de Jesus Barroso, Vera Nobre da Costa ou Elisa Ferreira, entre muitas outras.

Qual a relevância deste prémio para os valores da Sogrape?
Os prémios Dona Antónia juntam, à perpetuação da memória de Dona Antónia, percursos femininos que na atualidade, e a seu modo, renovam os traços de caráter e a vida da inspiradora dos prémios. Na figura de Dona Antónia conjugavam-se o espírito empreendedor, as qualidades de gestão empresarial, o sentido de serviço e uma sensibilidade social em avanço sobre o seu tempo.

O que pretende incentivar?
Na escolha das duas premiadas, atende-se ao espírito empreendedor, às qualidades de organização e gestão, ao sentido de serviço público e à sensibilidade social e filantrópica que as caracterizam, reconhecendo, nomeadamente, personalidades pertencentes ao mundo empresarial, universitário, literário, artístico e científico e aos meios de comunicação social. Considera-se, ainda, a sua contribuição para a projeção do país, em geral, e, quando possível, do Douro e do Vinho do Porto, em particular. A vocação dos Prémios Dona Antónia não é apenas a de celebrar, mas igualmente a de transpor para as circunstâncias de hoje a permanência paradigmática dos valores humanos e da capacidade realizadora de D. Antónia Adelaide Ferreira.

As escolhas deste ano – as duas premiadas – o que representam para o país?
São o exemplo de duas mulheres portuguesas que se afirmam publicamente pelas suas qualidades humanas e espírito empreendedor, seguindo o excecional exemplo de vida de Dona Antónia ao contribuírem para o desenvolvimento económico, social e cultural de Portugal. Para Ana Pinho, é uma homenagem pelo seu percurso de vida consolidado e que é merecedor de inequívoco reconhecimento público. Já no que diz respeito a Nádia Piazza, é uma forma singela de agradecimento pela sua força e determinação num dos episódios mais graves que Portugal assistiu e uma forma de estimular o seu percurso na área da responsabilidade social.

Como é que a Sogrape se pretende posicionar no futuro, enquanto marca/grupo?
A Sogrape Vinhos, responsável pelo portfólio de origem Portugal do grupo, posiciona-se como líder do setor do vinho em Portugal, com uma fortíssima presença nos mercados internacionais. A empresa pretende que esta sua força seja resultado de um portfólio de marcas relevantes para os consumidores em cada mercado, com foco crescente no segmento premium e alavancado no crescente reconhecimento e prestígio dos seus vinhos pela crítica e consumidores nacionais e estrangeiros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Novo Banco prevê redução de 1,7 mil milhões de malparado em 2020

Sede do Novo Banco, ex-BES, na Avenida da Liberdade.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Novo Banco não afasta que possa vir a pedir mais capital ao Fundo de Resolução

Sogrape. “Homenagem às mulheres e ao espírito empreendedor”