Resultados 1º trimestre

Sonae com lucros de 20 milhões alavancados no efeito Páscoa

Paulo Azevedo, CEO do grupo Sonae
Paulo Azevedo, CEO do grupo Sonae

O Continente e a Worten foram as grandes âncoras de crescimento do grupo liderado por Paulo Azevedo

A Sonae gerou um resultado líquido de 20 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, um forte crescimento quando comparado com os oito milhões registados em igual período de 2017. O crescimento das vendas da Sonae MC (Continente) e da Worten, impulsionado pela Páscoa e por um ambiente de confiança económica, a que se somam as melhorias operacional e de rentabilidade, justificam os lucros do grupo liderado por Paulo Azevedo.

“Começou bem o ano de 2018 na Sonae”, sublinha Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae, no comunicado enviado ontem à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. O responsável sublinha os crescimentos do volume de negócios, que atingiu os 1.342 milhões, mais 8,7%, e do EBITDA, um aumento de 9,5% para 70 milhões.

Também Luís Filipe Reis, CCCO da Sonae, destaca “os resultados extremamente positivos” do grupo. “Foi um primeiro trimestre muito forte da Sonae, com crescimentos de vendas, da rentabilidade operacional, do investimento, do emprego e com redução da dívida”, sublinhou em entrevista telefónica ao Dinheiro Vivo.

O responsável aponta o efeito Páscoa como fator impulsionador do crescimento das vendas e reconhece que os níveis de confiança do consumidor estão bastante elevados, mas ainda assim a Sonae cresceu “acima do consumo e ganhou quota de mercado, devido às propostas de valor e também ao aumento do número de lojas”.

As estrelas da companhia foram as lojas Continente (marca reforçada no trimestre com mais 20 espaços) e a Worten. Luís Filipe Reis destaca que estes dois negócios cresceram “acima do mercado e acima de qualquer outro concorrente”.

Já a área de retalho desportivo e de vestuário teve um comportamento menos positivo, influenciado pelas condições meteorológicas vividas até março.

A Sonae MC registou um volume de negócios de 940 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, mais 10% que no período homólogo de 2017. No universo comparável de lojas, a subida nas vendas foi de 5,3%. No comunicado, o grupo frisa que este desempenho permitiu à subsidiária “reforçar a sua liderança no mercado”.

A Worten apresentou um crescimento de 9,3% para 242 milhões de euros de volume de negócios, justificado pelo aumento das vendas em 8,8% no universo comparável e pelo e-commerce. No período em análise, esta insígnia ganhou quota de mercado em Portugal e Espanha.

Já a Sonae Fashion registou vendas 96 milhões, um aumento de 1,5%. No universo comparável de lojas, esta área de negócio cresceu 3,7%.

O grupo reduziu em 113 milhões a dívida líquida no trimestre, face ao período homólogo de 2017. O investimento ascendeu a 71 milhões, aplicados essencialmente na abertura de novas lojas, na remodelação de espaços e em sistemas para suportar o crescimento do e-commerce.

 

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Sonae com lucros de 20 milhões alavancados no efeito Páscoa