Empresas

Sonae Indústria encerra fábrica da LaminatePark na Alemanha

Paulo Azevedo, presidente da Sonae. Foto: Pedro Granadeiro, Global Imagens
Paulo Azevedo, presidente da Sonae. Foto: Pedro Granadeiro, Global Imagens

A Sonae Indústria comunicou ao mercado que a LaminatePark vai encerrar as atividades na fábrica germânica de Eiweiler no final do ano.

A empresa LaminatePark – que resulta de uma parceria entre a Sonae Arauco e a Tarkett para a produção e venda de pavimentos laminados – vai encerrar as atividades na unidade germânica de Eiweiler.

“A Sonae Indústria, SGPS, SA (“Sonae Indústria”) informa que a LaminatePark GmbH & Co KG (“LaminatePark”) anunciou hoje a intenção de encerrar, no final de 2019, as atividades da sua fábrica em Eiweiler (Alemanha)”, refere a Sonae Indústria em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários. “O Comité Económico e o Conselho de Trabalhadores da LaminatePark foram informados e iniciaram-se as discussões formais. Esta intenção deve-se ao fraco desempenho financeiro histórico da LaminatePark”.

A empresa alemã foi afetada recentemente pela “queda dos volumes de vendas de pavimentos laminados”. Perante este cenário, e uma vez que “não existem perspetivas razoáveis de recuperação material da sua rentabilidade material da sua rentabilidade financeira no médio prazo”, foi tomada a decisão de encerrar esta unidade no fim de 2019.

“Na sequência de testes de imparidade, a Sonae Arauco reconheceu uma perda por imparidade nas suas contas consolidadas pela totalidade do valor contabilístico no final de 2018 do investimento no empreendimento conjunto LaminatePark e do seu empréstimo de acionista àquela empresa (não auditado). O impacto desta perda por imparidade nos resultados consolidados da Sonae Indústria (considerando o método de equivalência patrimonial da Sonae Arauco nos resultados consolidados da Sonae Indústria) é um custo estimado em cerca de 8 milhões de euros (não auditado)”, pode ler-se ainda no comunicado.

“A Sonae Indústria informa que, no âmbito da preparação das demonstrações financeiras de 2018, estima que os resultados do EBITDA do quarto trimestre de 2018 serão significativamente afetados por uma menor rentabilidade operacional da subsidiária integralmente detida Tafisa Canada”. A quebra do EBITDA recorrente da Tafisa Canadá “no quarto trimestre de 2018 é parcialmente explicada pelo impacto negativo de um incêndio na maior das suas duas linhas de aglomerado de partículas que ocorreu na segunda metade de novembro, apenas alguns dias após a paragem anual da linha, levando a volumes de produção significativamente inferiores (quase duas semanas adicionais de paragem além da paragem anual para manutenção) e a um aumento significativo dos custos de manutenção”.

Em comunicado, a Sonae Indústria indica ainda que o EBITDA recorrente consolidado, não auditado, no quarto trimestre de 2018 “é estimado em 4 milhões de euros, que compara com os resultados do quarto trimestre de 2017 e do terceiro trimestre de 2018”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Sporting vende créditos de contrato com a NOS por 65 milhões

Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Sporting vende créditos de contrato com a NOS por 65 milhões

Cerimónia da assinatura da venda do Novo Banco à Lone Star, no Banco de Portugal. Luis Máximo dos Santos, Donald Quintin e Carlos Costa.

( Filipe Amorim / Global Imagens )

Máximo dos Santos: “Venda do Novo Banco evitou sério prejuízo”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Sonae Indústria encerra fábrica da LaminatePark na Alemanha