retalho

Sonae investe 100 milhões em inovação no retalho

O grupo desenvolveu mais de mil projetos para garantir a sustentabilidade do negócio do retalho, aumentar as vendas e reduzir os custos

A Sonae investiu, no ano passado, mais de 100 milhões de euros em inovação, investigação e desenvolvimento na área do retalho. Segundo o grupo português, foram desenvolvidos mais de mil projetos a nível mundial. Estas inovações irão permitir que a Sonae reforce a sustentabilidade do negócio do retalho, aumente as vendas, reduza custos e poupe no tempo despendido em vários processos.

De acordo com o “Livro de Inovação do Retalho 2018”, editado pelo décimo ano, a Sonae continuou a desenvolver uma política de inovação e conta atualmente como uma rede de open innovation de 429 parceiros em 34 países de quatro continentes. Nos últimos dois anos o número de parceiros de inovação da Sonae cresceu mais de 20%. Entre os vários parceiros, encontram-se universidades, centros de investigação e desenvolvimento, empresas, startups, incubadoras e aceleradoras, fornecedores e diversas instituições.

Das mais de 50 inovações que constam do “Livro de Inovação 2018”, que foram desenvolvidas e implementadas pelas insígnias de retalho da Sonae, estão projetos como a app Feedback do Cliente, desenvolvida pela Sonae Sports & Fashion, a app Smart Continente ou Your Game da Worten.

A Sonae procura “estabelecer parcerias que potenciam a nossa capacidade de inovar, estimulando a partilha do conhecimento e o desenvolvimento de iniciativas por via de cooperação em rede. Esta estratégia tem vindo a beneficiar não só a especialização das equipas, como também as oportunidades de crescimento dos negócios de retalho da Sonae, que reforçaram as suas posições de liderança no último ano”, diz Catarina Oliveira Fernandes, diretora de comunicação, marca e responsabilidade corporativa do grupo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Teste - Redação DV

Liberdade e sustentabilidade dos media, com ou sem apoio do governo?

Regime dos residentes não habituais garante isenção de IRS a quem recebe pensões do estrangeiro.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Primeiros 18 residentes não habituais prestes a perder benefício

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Sonae investe 100 milhões em inovação no retalho