retalho

Sonae poupa 15 milhões de euros anuais com fatura eletrónica para fornecedores

SONAE SGPS SA

Sonae anunciou esta segunda-feira que registou poupanças de 15 milhões de euros anuais com a fatura eletrónica para os fornecedores, no âmbito do projeto de desmaterialização das comunicações com os seus parceiros, implementado em 2005.

“A desmaterialização do processo de faturação dos fornecedores proporcionou, assim, poupanças anuais superiores a 15 milhões de euros, contribuindo para uma maior eficiência e produtividade das atividades desenvolvidas pelas várias unidades de negócio da Sonae”, disse a Sonae, em comunicado.

Segundo a mesma fonte, e em resultado do projeto desenvolvido pela Direção dos Serviços Administrativos (DSA) da empresa, a Sonae “conseguiu melhorar a sua pegada ecológica, poupando anualmente mais de 90 toneladas de papel, 10 milhões de litros de água e mais de 50 milhões de emissões de CO2, bem como salvando 2.500 árvores”.

“A implementação da fatura eletrónica no relacionamento com os fornecedores e parceiros foi um sucesso e permitiu ganhos significativos para todas as partes. As equipas passaram a ter acesso a informações e indicadores de gestão com maior qualidade, agilidade e rapidez, o que veio facilitar o seu trabalho e gerar não só poupanças ambientais e financeiras, como também ganhos efetivos de produtividade”, referiu Nuno Guerreiro, diretor da DSA da Sonae, citado em comunicado.

A Sonae diz que gere, todos os anos, mais de três milhões de processos de faturação, envolvendo mais de 20 mil fornecedores e parceiros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Sonae poupa 15 milhões de euros anuais com fatura eletrónica para fornecedores