Desporto

Sporting critica falta de apoio dos bancos no empréstimo obrigacionista

Frederico Varandas
( Pedro Rocha / Global Imagens )
Frederico Varandas ( Pedro Rocha / Global Imagens )

Líder da SAD dos leões, Frederico Varandas, queixa-se de os bancos não terem vendido as obrigações nas agências.

O presidente do Sporting destacou na sexta-feira a importância dos sócios e adeptos do clube ‘leonino’ para o sucesso da emissão obrigacionista que resultou no encaixe de 26 milhões de euros, lançando críticas à atuação dos bancos nesta operação.

“O verdadeiro sindicato bancário foi o Sporting Clube de Portugal, a massa adepta e a massa associativa”, destacou Frederico Varandas, líder da SAD ‘verde e branca’.

Antes, o presidente tinha já destacado o esforço feito para “negociar com bancos e com a CMVM” o próprio lançamento da operação financeira, que, segundo Varandas, depois de arrancar, conheceu várias contrariedades.

“Não tivemos direito a um empréstimo intercalar. Não tivemos os bancos a querer comercializar as nossas obrigações. Não houve nenhum sindicato bancário a querer resolver o que vinha de trás”, salientou, assinalando ainda que “em maio de 2018, a SAD do Sporting não reembolsou os obrigacionistas na data prevista, tendo de adiar por seis meses. Agora, passados seis meses, a SAD teve oportunidade de pagar”.

Frederico Varandas lembrou que a sua direção herdou “esta situação” e teve que “resolver o que os outros não conseguiram”, sendo que só teve “um mês e meio para lançar este empréstimo obrigacionista”.

Por seu lado, o vice-presidente Francisco Salgado Zenha, que tem o pelouro da área financeira, também lançou muito críticas em relação à atuação dos bancos nesta colocação de títulos de dívida e visando, em especial, o Montepio.

“Ao contrário do que tem sido dito na comunicação social – que nós estávamos a usar os bancos como bode expiatório -, nós não usamos bodes expiatórios. É um facto que quem se deslocasse ao banco tinha dificuldades (em subscrever as obrigações do Sporting”, disse.

O dirigente admitiu, porém, “os bancos também ajudaram na pré-comercialização”, nomeadamente “o Novo Banco, o BCP, e a CGD”, que “tiveram uma postura impecável nessa fase”.

“Temos uma boa relação. São nossos parceiros. Há uma exceção: o Montepio. Teve um comportamento ao longo deste processo que não dignifica a instituição”, referiu.

Segundo Salgado Zenha, o Montepio, que liderava esta oferta de obrigações, falhou com o acordado com a SAD ‘leonina’.

“Trabalhámos sempre no pressuposto de haver um empréstimo intercalar. Pelo que soubemos, foi aprovado pelas equipas técnicas do Montepio. Já tinha sido aprovado um idêntico em maio, quando o Sporting tinha uma situação de liquidez pior que agora. Fomos enrolados e depois disseram-nos que não ia haver. Institucionalmente, devo dizer que não nos deixaram minimamente satisfeitos”, disse o responsável.

Sobre as “Obrigações Sporting SAD 2015/2016”, cujo montante ascende a 30 milhões de euros e que deviam ter sido pagas em maio, o Sporting informou hoje o mercado que será feito o reembolso final a 100%.

A SAD verde e branca vai ainda pagar um juro ilíquido unitário de 0,15625 euros, correspondente ao juro líquido de 3,125% (antes de impostos), a partir de segunda-feira, devido ao atraso no reembolso das obrigações.

Questionado sobre o montante global desta compensação aos investidores, Salgado Zenha apontou para um valor na ordem de um milhão de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Teste - Redação DV

Liberdade e sustentabilidade dos media, com ou sem apoio do governo?

Regime dos residentes não habituais garante isenção de IRS a quem recebe pensões do estrangeiro.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Primeiros 18 residentes não habituais prestes a perder benefício

Miguel Albuquerque, do PSD Madeira.

Projeção. PSD perde maioria absoluta na Madeira

Outros conteúdos GMG
Sporting critica falta de apoio dos bancos no empréstimo obrigacionista