Desporto

Sporting tem até ao fim da época para pagar dívida aos bancos

Frederico Varandas, presidente do Sporting Clube de Portugal.
( Pedro Rocha / Global Imagens )
Frederico Varandas, presidente do Sporting Clube de Portugal. ( Pedro Rocha / Global Imagens )

O prazo para a reestruturação das dívidas ao Novo Banco e ao BCP tinha terminado a 31 de março.

O Sporting conseguiu chegar a um acordo com o Millennium BCP e o Novo Banco para alargar o prazo de reestruturação da dívida que o clube tem aos bancos. Em causa estão mais de 40 milhões de euros.

Em comunicado enviado ao final da tarde desta terça-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o clube de Alvalade informa que a renegociação do Acordo de Quadro de Reestruturação Financeira de 2014, cujo prazo acabou a 31 de março, foi adiada, pretendendo o clube “que a mesma esteja concluída até ao final da corrente época desportiva”.

A SAD liderada por Frederico Varandas destaca que “no âmbito da estratégia de planeamento financeiro, foi crucial a concretização, em 20 de março de 2019, de operação de cessão dos créditos decorrentes do contrato de cessão de direitos de transmissão televisiva e multimédia, de exploração da publicidade estática e virtual do Estádio José Alvalade, de distribuição do canal Sporting TV e direitos de patrocinador principal, celebrado a 28 de Dezembro de 2015, entre a Sporting SAD, a Sporting Comunicação e Plataformas, S.A. e a NOS Lusomundo Audiovisuais”.

Com esta operação, o Sporting encaixou 65 milhões de euros. O montante destina-se, detalha a nota, “a substituir passivos, financeiros e não-financeiros”

Os créditos cedidos na mesma operação, conclui o clube, “servirão para colateralizar a emissão de obrigações titularizadas até ao reembolso integral das mesmas, tendo ficado assegurados mecanismos contratuais necessários, que poderão permitir à Sporting SAD recuperar a titularidade ou benefício económico dos créditos, simultaneamente com o reembolso das obrigações titularizadas, o que poderá acontecer antecipadamente e a qualquer momento na sequência de solicitação da Sociedade (os quais não se encontram na sua exclusiva disponibilidade)”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A Poveira, conserveira. Fotografia: Rui Oliveira / Global Imagens

Procura de bens essenciais dispara e fábricas reforçam produção ao limite

Fotografia: Regis Duvignau/Reuters

Quase 32 mil empresas recorrem ao lay-off. 552 mil trabalhadores em casa

coronavírus em Portugal (covid-19) corona vírus

266 mortos e 10 524 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Sporting tem até ao fim da época para pagar dívida aos bancos