IRS

Subsídio de refeição mais alto pode trazer poupanças a empresas

Subida do subsídio de refeição na função pública pode trazer poupanças para as empresas e trabalhadores.

A subida em 25 cêntimos do subsídio de refeição dos funcionários públicos aumentou o valor deste subsídio isento de IRS e de taxa social única. Para as empresas esta mudança permite-lhes aumentar o montante que fica livre daqueles encargos e que é ainda maior se o pagarem em cartão. Se tiver 10 trabalhadores conseguirá reduzir mais de 4100 euros por ano nos custos com pessoal.

Até 2016, o valor do subsídio isento de TSU e de IRS (isenção válida para quem paga e para quem recebe) era de 4,27 euros quando pago em dinheiro e de 6,83 quando pago em cartão. Estes limites subiram no início deste ano para 4,52 euros e 7,23 euros, respetivamente.

Na prática, isto significa que se uma empresa pagar um subsídio de almoço de 159,06 euros por mês e o fizer em dinheiro, terá de desembolsar 14,16 euros por mês de TSU (porque a parcela entre os 4,52 euros e os 7,23 euros está sujeita ao desconto de 23,75% para a segurança social) e 0 euros se o disponibilizar através de um cartão.

Para o trabalhador também há benefício, porque aquela diferença está sujeita a retenção mensal na fonte do IRS e desconta ainda 11% para a segurança social.

Simulações realizadas pela Sodexo, que comercializa cartões de refeição, mostra que uma empresa com 10 trabalhadores e que queira acompanhar aquela subida do valor de refeição que foi dada à função pública, consegue aumentar para 4155 euros por ano o total dos encargos isentos de TSU. São mais 229 euros do que em 2016.

“No mesmo cenário, os colaboradores, através da isenção total de TSU e IRS, beneficiam de um acréscimo de poder de compra que em 2017 pode chegar, com cartão refeição, aos 595 euros por colaborador”, acentua a empresa.

No mercado acredita-se que há empresas que vão aproveitar esta subida do valor isento para reforçarem o subsídio de alimentação, e com isto o valor global pago aos trabalhadores, porque este é um dos poucos itens remuneratórios que está isento de descontos.

 

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Subsídio de refeição mais alto pode trazer poupanças a empresas