chocolate

Surpresa: Ovos Kinder chegam aos EUA em 2018

Foto: Pedro Correia
Foto: Pedro Correia

Entrar no país com um destes produtos é considerado contrabando e pode valer uma multa de 2500 dólares por cada ovo

São proibidos há décadas pela FDA, a autoridade norte-americana que regula os alimentos e os medicamentos, devido ao “objeto não nutritivo” que contêm dentro. Devido ao embargo, ganharam o estatuto de objeto de culto no EUA.

Mas a partir do próximo ano, os ovos Kinder passarão a ser legais no país.

Ou, pelo menos, uma versão adaptada do chocolate que conhecemos. Segundo um porta-voz da Ferrero, a empresa italiana que detém a marca Kinder, em janeiro de 2018 as lojas norte-americanas passarão a estar autorizadas a vender o Kinder Joy.

O produto, que também existe em Portugal, foi lançado em 2001 e está dividido em duas partes separadas, uma com chocolate e a outra com o tradicional brinquedo. Segundo a Ferrero, o Kinder Joy cumpre todas as normas de segurança em vigor nos Estados Unidos.

Apesar de não ser raro encontrar ovos Kinder à venda nos Estados Unidos, a comercialização do produto é feita através do mercado negro. “Qualquer venda de produtos da Kinder feita até hoje nos EUA aconteceu de forma não autorizada”, sublinhou a empresa num comunicado citado pela CNN.

Entrar no país com um destes produtos é considerado contrabando e pode valer uma multa de 2500 dólares por cada ovo.

A Ferrero vende cerca de 3,5 mil milhões de ovos por ano. O Kinder Surpresa é mais popular na Rússia, Alemanha e Reino Unido, enquanto o Kinder Joy, que foi criado para ser vendido em países mais quentes, é o produto preferido de países como Índia, Coreia do Sul e China.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. Foto: Rodrigo Antunes/EPA

Costa agradece às forças armadas e defende o seu uso com analogia futebolística

O primeiro-ministro, António Costa. Foto: Rodrigo Antunes/EPA

Costa agradece às forças armadas e defende o seu uso com analogia futebolística

Francisco São Bento, presidente do SNMMP. Foto: Sara Matos/Global Imagens

Cinco momentos chave numa greve de sete dias

Outros conteúdos GMG
Surpresa: Ovos Kinder chegam aos EUA em 2018