Comércio eletrónico

Takeaway.com: Entrega de comida sem taxas e poluição

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Empresa holandesa já criou 50 empregos em Portugal com a contratação de estafetas para entrega de refeições vindas de restaurantes.

Estafetas, bicicletas e mochilas cor de laranja têm sido vistos a entregar almoços e jantares pelas ruas de Lisboa. Trata-se dos holandeses da Takeaway.com, uma das maiores empresas europeias de entrega de comida da Europa e que decidiu expandir a atividade em Portugal, mais de dois anos depois de terem chegado ao país como uma montra para comprar almoços e jantares dos restaurantes com o próprio serviço de entrega. Esta empresa quer fazer a diferença porque contrata os trabalhadores e dá-lhes todo o material de trabalho. E as entregas para os clientes são grátis.

“Oferecemos um serviço de entrega para restaurantes que não dispõem desse serviço. O mercado português tem uma baixa penetração em relação a pedidos de comida online (menos de 1% de pedidos de comida online no momento)”, salienta António Barradas, diretor de vendas da plataforma, em declarações ao Dinheiro Vivo.

Ao encomendar o almoço ou o jantar na Takeaway, o cliente particular não paga taxas de escolher um restaurante em que a entrega é feita pelos trabalhadores da plataforma. Se for o restaurante a entregar a refeição, é dele que depende a cobrança ou não de uma taxa pela encomenda. Até agora, há 132 restaurantes em Lisboa onde a entrega já é feita pela plataforma holandesa.

Trabalhadores com contrato

Até agora, já foram contratados mais de 50 trabalhadores e há 40 bicicletas elétricas, fabricadas na Holanda, que ajudam os estafetas a contornar as colinas de Lisboa e que implicaram um investimento de 40 000 euros.

Acreditamos que os motoristas devem receber uma compensação adequada e ser segurados contra qualquer eventualidade durante a entrega. Fornecer uma oferta e equipamento adequados ajudará no recrutamento e no fornecimento de boa qualidade de serviço”, acredita o responsável português desta empresa holandesa.

Leia mais: Viagens, livros? O que compram online os portugueses está a mudar

António Barradas explica ainda a opção pela contratação de trabalhadores: “O modelo freelance é na maioria dos nossos mercados europeus não legalmente permitido e, portanto, não é sustentável. Todos concordam que um jovem, homem ou mulher, de 18 anos que oferece sushi e pizza não é um empreendedor.” A plataforma holandesa oferece também o seguro de trabalho, a mochila térmica, o casaco e o capacete.

Presença em Portugal

A Takeaway chegou a Portugal em 2016 depois da compra da empresa Pizza.pt. Desde 2016, a plataforma holandesa tem feito crescer o seu negócio em Portugal, criando comunidades em Portugal Continental e nas regiões autónomas. Até agora, tem servido como montra para fazer as encomendas de restaurantes em cada uma destas comunidades.

Mas a empresa de entrega de comida quer chegar mais longe. “Este mercado demora algum tempo a desenvolver-se. Não vale a pena estarmos a investir ao mesmo tempo que nos nossos concorrentes”, refere António Barradas. É por causa disso que a empresa não se compromete com uma data para chegar a outras cidades. “Estamos focados em criar massa crítica”, adianta o responsável.

A empresa Takeaway foi fundada em 2000 na Holanda e fornece serviços de entrega a restaurantes que não contam com serviço próprio em 33 cidades europeias de oito países.

Em Portugal, a empresa holandesa enfrenta a concorrência de plataformas como a UberEats, Glovo, SendEat e Bring Eat.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
ExpoDubai2020 2

Uma smart city no meio do deserto. Bem-vindos aos bastidores da Expo Dubai 2020

ExpoDubai2020 2

Uma smart city no meio do deserto. Bem-vindos aos bastidores da Expo Dubai 2020

Lisboa-13/11/2019  - Lic’nio Pina (Presidente do CrŽdito Agr’cola Mœtuo), convidado da entrevista A Vida do Dinheiro.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Licínio Pina: “Os bancos têm abusado um bocadinho, há comissões para tudo”

Outros conteúdos GMG
Takeaway.com: Entrega de comida sem taxas e poluição