aviação

TAP acaba com viagens “à borla” para o Governo

Fotografia: Rafael Marchante/ Reuters
Fotografia: Rafael Marchante/ Reuters

A solução está a ser negociada com o Ministério das Infraestruturas e passará pela criação de tarifas especiais e pacotes de desconto.

A TAP está a negociar com o Governo o fim das viagens oferecidas aos membros do Executivo. A solução pode passar por tarifas especiais ou descontos, avança o Jornal de Negócios, esta quinta-feira.

Fonte oficial da transportadora aérea explicou ao mesmo jornal que “a necessidade de adaptação das condições é ditada pela observância das regras de mercado em que a TAP opera”. A solução está a ser negociada com o Ministério das Infraestruturas e passará pela criação de tarifas especiais para as viagens de membros do Governo e pacotes de desconto para todos os destinos servidos pela companhia. A mesma fonte adiantou mesmo que o “fim das borlas” é ponto assente.

A dispensa do pagamento do bilhete em deslocações oficiais a bordo da TAP tem sido uma prática comum para os membros dos diferentes governos. A companhia aérea concede ainda a outros representantes do país upgrades para a classe executiva.

A TAP pretende agora chegar a um acordo justo para ambas as partes, uma vez que esses benefícios dados a governantes e outros servidores públicos têm tido efeitos sobre as suas receitas. Ainda não existe prazo para a conclusão das negociações.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Samsung Fold

Samsung lança o smartphone dobrável Fold por 2 mil euros

O presidente dos CTT, Francisco de Lacerda, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa, na sede dos CTT em Lisboa, 20 de fevereiro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Lucros dos CTT recuam 28% para 19,6 milhões

O presidente dos CTT, Francisco de Lacerda, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa, na sede dos CTT em Lisboa, 20 de fevereiro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Lucros dos CTT recuam 28% para 19,6 milhões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
TAP acaba com viagens “à borla” para o Governo