aviação

Trabalhadores da TAP terão aumento salarial de 0,9%

Foto: REUTERS/Paulo Whitaker
Foto: REUTERS/Paulo Whitaker

A plataforma sindical da TAP chegou a acordo com a companhia aérea para um aumento salarial. É o primeiro depois de 6 anos de congelamento e cortes

Os nove sindicatos que formam a Plataforma Sindical da TAP chegaram a acordo com a administração da empresa para um aumento salarial de 0,9%.

A revisão da tabela salarial, que deverá chegar a 3400 trabalhadores, acontece em setembro, mas terá retroativos a janeiro, admitiu ao Dinheiro Vivo, André Teives, porta-voz da Plataforma.

O acordo chega depois de uma série de reuniões que já estão a ter lugar desde janeiro deste ano e que culminam agora num acordo que já foi comunicado pela empresa ao grupo que reúne os sindicatos.

Os trabalhadores da TAP foram abrangidos pelos cortes que afectaram todos os trabalhadores da Administração Pública e Setor Empresarial do Estado e tinham ainda os salários congelados desde 2010.

O acordo agora alcançado abrange 3375 trabalhadores de terra abrangidos por estes sindicatos. Os trabalhadores de ar – pilotos e tripulantes de bordo – terão também eles alcançado acordos específicos Mas, segundo foi possível apurar pelo Dinheiro Vivo, estes não passarão por uma revisão da tabela salarial.

Em causa estará, antes, a reposição de parte dos cortes sofridos ao longo dos últimos seis anos, a regularizar durante a próxima década.

O novo acordo salarial acontece depois de a TAP ter sido parcialmente privatizada com a entrada do consórcio privado Atlantic Gateway. Não está, no entanto, ainda concluído o processo que faz o estado regressar a 50% do capital.

A ANAC continua a ter a última palavra em qualquer matéria remuneratória, no âmbito do controlo imposto à gestão da TAP, até que o processo de venda fique totalmente concluído.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Trabalhadores da TAP terão aumento salarial de 0,9%