TAP: consórcio assume totalidade da dívida

David Neeleman, TAP
David Neeleman, TAP

David Neeleman, o empresário norte-americano que integra com Humberto Pedrosa o consórcio que venceu a compra de 61% do Grupo TAP, disse esta quarta-feira que vai assumir a 100% da dívida da transportadora aérea.

“Assumimos a dívida da TAP”, precisou David Neeleman naquela que foi a sua primeira conferência de imprensa depois de ter sido conhecido o seu interesse na companhia de bandeira naciola. O empresário referiu ainda que já teve reuniões com os bancos credores e que “todos” se mostraram favoráveis a este processo de privatização.

Este apoio dos credores deverá manter-se agora que o consórcio formalizou a compra, através da assinatura do contrato, e vai poder detalhar o seu plano para a empresa, através do qual promete fortalecer a transportadora. Porque, “todos queremos uma TAP mais forte”, precisou, adiantado que esta é também a receita para que a empresa se possa tornar mais eficiente e regressar aos lucros, que serão essenciais para reduzir a dívida.

David Neeleman admite que a TAP possa regressar a resultados líquidos positivos já em 2016. “Este ano vai ser difícil conseguir ter lucro, mas no ano que vem, quando implementarmos a mudança, pretendemos ganhar lucro”, sublinhou o empresário, que é dono da Azul, no Brasil.

O plano estratégico da Gateway para a TAP, cujas linhas gerais foram apresentadas esta quarta-feira, é também o trunfo que David Neeleman conta usar junto dos trabalhadores para conseguir a desejada paz social. É que, precisou, para que a emprega reduza custos e se torne mais eficiente sem que haja despedimentos – e as reduções de pessoal ou cortes salariais estão proibidas durante 3 anos por imposição do caderno de encargos – será necessário o empenho e o envolvimento de todos.

“O melhor que podemos ter para os trabalhadores é um plano para fazer crescer a TAP. Temos de ser ‘sócios’ neste processo de crescimento”, afirmou, sinalizando que pretende envolver todos os trabalhadores nas decisões.

O facto de o sindicato dos pilotos estar fora do acordo que foi assinado pelo Governo não assusta Neeleman: “conheço muito pilotos, e eles querem segurança, querem uma empresa onde possam estar 10,20, 30 anos, onde os seus filhos possam ser pilotos”.

Sobre a participação no consórcio Gateway e perante os avisos de Bruxelas de que estará atenta ao equilíbrio de forças e ao real papel de Humberto Pedrosa, David Neeleman salientou que o dono do Grupo Barraqueiro é de facto quem detém a maioria do capital do consórcio que responde pela compra de 61% da TAP e que tem a opção de compra de mais 34% a partir de 2017.

Humberto Pedrosa esclareceu, por seu lado, que a sua participação no consórcio não é feita através do Grupo Barraqueiro, mas através da sua holding pessoal, que é acionista do grupo transportador que detém hoje ativos nos setores rodoviário, ferroviário e concessões de metro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
TAP: consórcio assume totalidade da dívida