aviação

TAP é uma das companhias mais seguras do mundo

Foto: D.R.
Foto: D.R.

Companhia portuguesa liderada por Antonoaldo Neves está entre as mais seguras do mundo, numa lista encabeçada pela Qantas.

A TAP é uma das companhias mais seguras do mundo. O nome figura na lista da AirlineRatings para 2020 e coloca a transportadora aérea nacional lado a lado com companhias como a Emirates, Qatar ou Lufthansa.

A AirlineRatings.com analisou vários parâmetros de 409 companhias aéreas, como o número de acidentes ou de incidentes sérios ao longo do ano, mas também relatórios e auditorias governamentais ou de reguladores nacionais, número de iniciativas que ajudem a promover segurança operacional, ou idade da frota, para elaborar um top 20 das empresas mais seguras.

A lista para o ano 2020 é, assim, encabeçada pela Qantas, que foi considerada a companhia mais segura do mundo, tendo sido destacadas iniciativas como o Future Air Navigation System, sistema de análise de dados de monitorização do avião e da performance dos tripulantes, ou sistemas de aterragem automática com mecanismos de precisão na aterragem.

Air New Zealand, EVA Air, Etihad, Qatar Airways, Singapore Airlines, Emirates, Alaska Airlines, Cathay Pacific Airways, Virgin Australia, Hawaiian Airlines, Virgin Atlantic Airlines, TAP Portugal, SAS, Royal Jordanian, Swiss, Finnair, Lufthansa, Aer Lingus e KLM são as outras companhias que figuram nesta lista.

Isto é, a companhia portuguesa é colocada na 13ª posição das mais seguras do mundo. Geoffrey Thomas, diretor da AirlineRatings.com destaca o elevado padrão em que estas empresas operam, assegurando que estão na linha da frente da segurança, inovação e modernidade de frota.

Também para este ano, a AirlineRatings elaborou uma lista das low-cost mais seguras. Air Arabia, Flybe, Frontier, HK Express, IndiGo, Jetblue, Volaris, Vueling, Westjet e Wizz são as companhias em destaque.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

TAP é uma das companhias mais seguras do mundo