TAP já tem quatro interessados e Emirates está a caminho de Lisboa

Fernando Pinto, presidente da TAP
Fernando Pinto, presidente da TAP

O primeiro-ministro Pedro Passos Coelho viaja em missão oficial à Colômbia, dias 22 e 23 de junho, com mais de 50 empresários. O
objetivo é abrir os mercados do país às construtoras portuguesas e
tentar aliciar investidores para o sector dos transportes – incluindo
a TAP e o aeroporto da Portela.

“Estou convencido de que haverá
um novo interesse dos empresários colombianos na sequência da
visita do primeiro-ministro“, disse ao Dinheiro Vivo o
embaixador português em Bogotá, Augusto Saraiva Peixoto, realçando
sectores como a construção, engenharia e aviação.

No mês passado, o Dinheiro Vivo avançou que a colombiana Avianca
estava na corrida à privatização da transportadora aérea
portuguesa – tal como a LATAM, mega-transportadora nascida da fusão
entre a chilena LAN e a brasileira TAM. As duas sul-americanas
juntam-se ao primeiro candidato assumido, o grupo IAG (Iberia e
British Airways)
.

Esta semana, mais um veio juntar-se à lista: a Lufthansa. Apesar
de não revelar “interesse concreto” na privatização do
negócio de passageiros, a alemã admite que a TAP é muito sedutora,
graças à forte ligação à América Latina (especialmente ao
Brasil). “A TAP é uma companhia interessante, do ponto de vista
estratégico, pelas suas rotas para a América do Sul, além de
integrar a nossa parceira [Star Alliance]”, disse o CEO,
Christoph Franz, ao Financial Times.

A Emirates, que abre uma nova rota Lisboa-Dubai a 9 de julho e
prepara uma mega-apresentação para dia 24, em Lisboa, pode ser a
próxima. Para a transportadora, com forte presença no Médio
Oriente, em África e na Ásia, a TAP representa uma porta para a
Europa. “Estamos há algum tempo de olho em Lisboa”,
admitiu o CEO, Tim Clark, ao emirates247. “A nova rota
permite-nos ser a única transportadora do Médio Oriente a operar em
Portugal.” Com lucros desde 1988 (caíram 72% no último ano,
para 320 milhões de euros), a Emirates pode até querer juntar a ANA
ao negócio.

A lista de candidatos está a engordar, mas a operação está a
demorar mais do que se previa – a privatização da TAP devia estar
concluída no início do segundo semestre e a da ANA, no final do
ano. Uma demora que já levou o grupo IAG a admitir estar a perder o
interesse
. Com a seleção dos assessores financeiros e legais ainda
por fechar, na melhor das hipóteses, o negócio só será feito em
outubro ou novembro.

Com Luís Reis Ribeiro, em Bogotá

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa e Silva, responsável pelo plano para a economia nacional nos próximos dez anos.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Plano de Costa Silva. As bases estão lá, falta garantir boa execução

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Risco de austeridade? “Depende de como evoluir a economia”

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )Filipe Santos
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Há um conjunto de empreendedores que vai continuar

TAP já tem quatro interessados e Emirates está a caminho de Lisboa