Transporte aéreo

TAP: SNPVAC em silêncio sobre levar novo acordo a votação

Fotografia: Gerardo Santos/ Global Imagens
Fotografia: Gerardo Santos/ Global Imagens

O CEO da transportadora aérea alega que cedeu em tudo e não pediu nada nas negociações com o SNPVAC.

O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, afirmou no Parlamento que “alguns atrasos e cancelamentos” da companhia foram devido a “problemas sindicais”.

Na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, onde decorreu, esta quinta-feira, a audição de Antonoaldo Neves, informou que concluiu as negociações do Acordo de Empresa (AE) com 14 dos 15 sindicatos na TAP.

Leia também: TAP. 37 voos cancelados por limitações da Portela

Aos jornalistas, estranha o silêncio do Sindicato do Pessoal de Aviação Civil (SNPVAC) e diz que “há um impasse” em convocar a assembleia geral. O presidente executivo da TAP adianta que “foram feitas cedências” e que a direção do SNPVAC aceitou os termos do novo AE.

Antonoaldo Neves disse que cedeu em tudo e não pediu nada. “Disse que tinha chegado o momento para encerrar a questão e que tinha passado dos limites, mas, por vezes, é preciso passar dos limites para poder conquistar uma paz social”, considera.

Pela segunda vez, “a direção do sindicato aceitou o acordo”. Revela, por isso, “uma dificuldade muito grande em compreender o porquê de o acordo não ser levado para votação na assembleia”.

Aos deputados, tinha já garantido que o novo acordo “é muito melhor”, garantindo que contempla “mais dias de folga e melhores condições de parentalidade”.

O Dinheiro Vivo aguarda parecer do SNPVAC sobre as declarações do presidente executivo da TAP.

*Última atualização às 22:20 de 13/09/2018

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno, fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

IRS: Escalões vão absorver parte do aumento salarial de 2019

António Costa, que cumprimenta João Oliveira, com Jerónimo de Sousa e Catarina Martins© Lusa

Quanto valem as medidas negociadas à esquerda?

Outros conteúdos GMG
TAP: SNPVAC em silêncio sobre levar novo acordo a votação