TAP vai realizar mais 91 voos por semana neste inverno

A companhia aérea espera realizar, no total, 941 voos de ida-e-volta por semana, o que representa mais 91 frequências semanais do que as 850 que está a oferecer neste verão.

A TAP prevê realizar mais 91 voos por semana entre 31 de outubro e 26 de março - período conhecido como inverno IATA - do que está a disponibilizar neste verão. A companhia aérea avança, assim, que os planos apontam para que realize por semana 941 voos, acima assim dos atuais 850.

"Este inverno, a TAP vai realizar mais 91 voos por semana do que aqueles que oferece atualmente, no pico de verão, período que é tradicionalmente o de maior atividade nas companhias aéreas. O plano de voos da TAP para o inverno IATA, que tem início a 31 de outubro e se prolonga até 26 de março de 2022, prevê, no período de pico de operação programado pela Companhia, um total de 941 voos de ida-e-volta por semana, mais 91 frequências semanais do que as 850 que a Companhia está a oferecer este verão".

A transportadora aérea liderada por Christine Ourmières-Widener assume que o aumento da oferta disponível no inverno representa "um sinal positivo e de confiança na recuperação da procura de viagens, em linha com as projeções internacionais para o setor, contribuindo para as perspetivas de recuperação operacional e económica da empresa".

De acordo com a companhia, a empresa pretende realizar 101 voos por semana à partida do Porto, ligando diretamente a Invicta a Lisboa, Funchal, Londres, Paris, Zurique, Genebra, Nova Iorque, Rio de Janeiro e S. Paulo. Do aeroporto de Faro vão realizar-se 21 voos semanais para Lisboa.

Já a Madeira vai contar com 49 voos por semana para Lisboa e Porto. E Ponta Delgada terá 15 voos por semana para Lisboa e a Terceira sete frequências semanais para a capital.

"No total, a TAP vai ligar Portugal a 37 cidades do resto da Europa, com 585 voos por semana. As ligações semanais diretas a África e Médio Oriente vão ascender aos 93 voos para 15 destinos. Nos Estados Unidos da América, México e Canadá, a TAP vai repor a operação em todas as rotas em que já operava antes da pandemia, com um total de 59 voos por semana em 11 rotas - Boston, Newark (à partida de Lisboa e do Porto), Washington, Nova Iorque (JFK), Miami, Chicago, San Francisco, Montreal e Toronto (Canadá) e Cancun (México)", assume a transportadora.

A companhia aponta ainda que para o Brasil - dos principais mercados antes da pandemia - vai disponibilizar 52 voos semanais, nas 12 rotas que vão ser operadas no inverno. Para a Venezuela, a TAP vai realizar um voo por semana.

Tal como já anunciado, neste inverno IATA, a TAP inaugura de voos regulares para Punta Cana, na República Dominicana, com três ligações semanais.

Prejuízos de quase 500 milhões de euros

A programação da TAP para este inverno foi anunciada depois de na semana passada a companhia ter comunicado ao mercado que registou prejuízos de 493,1 milhões de euros no primeiro semestre. O número compara com as perdas de 582 milhões de euros verificadas no período homólogo de 2020. A companhia aérea, apesar de ter começado a recuperar no número de passageiros, continua a sofrer com os efeitos do coronavírus.

Se olharmos apenas para os resultados do segundo trimestre, os prejuízos são de 128,1 milhões de euros, o que compara com os 187 milhões de euros negativos registados no mesmo período de 2020, segundo o comunicado de apresentação de resultados divulgado esta sexta-feira junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM)..

O resultado operacional (medido pelo EBIT) é um dos exemplos das dificuldades que a empresa de aviação enfrenta em tempo de pandemia: na comparação entre semestres, a TAP o resultado operacional passou de -427,6 milhões para -377,4 milhões de euros; em relação ao período entre abril e junho, a TAP evoluiu de -272,2 para -149,6 milhões de euros a nível operacional.

O pagamento de indemnizações aos 722 trabalhadores que saíram da TAP entre abril e junho contribuiu para o aumento dos custos com pessoal para 83 milhões de euros, mais 41,8% do que em igual período de 2020. A companhia prefere assinalar a diminuição de 30,4% desta rubrica de resultados face ao primeiro trimestre, no valor de 119,3 milhões de euros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de