transportes

Taxistas: Cabify pode entrar em Portugal sem problemas

Rival da Uber está a realizar testes em Lisboa e Porto, segundo o responsável da Federação Portuguesa do Táxi

A entrada em Portugal da Cabify, uma das principais rivais da Uber, não representa qualquer problema para os taxistas. A opinião é de Carlos Ramos, presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), que defende que a empresa pode mesmo constituir-se mais uma plataforma para ajudar os taxistas.

“Se a entrada da Cabify em Portugal for nos mesmos moldes do que em Espanha, onde só operam com carros licenciados, não há grandes problemas para nós”, comenta Carlos Ramos em declarações ao Dinheiro Vivo. Uma situação diferente da Uber, compara.

Cabify entra em Portugal incubada na Fábrica de Startups

O mesmo responsável adianta também que a Cabify já está a fazer testes com quatro carros em Lisboa e no Porto. O anúncio da entrada da plataforma em Portugal foi feito na quinta-feira, 28 de abril, na véspera da manifestação dos taxistas em Lisboa, Porto e Faro, através de uma publicação na página do Facebook Cabify Portugal.

A FPT está a receber a visita de uma delegação de taxistas espanhóis, que têm informado a federação sobre as condições em que a plataforma fundada em julho de 2011 opera no país vizinho.

Em Espanha há quatro serviços disponíveis: o Lite, o mais barato, em que um carro de segmento médio tem um motorista com licença, o Executive, com um automóvel de segmento superior e mais caro, o Group, com uma carrinha que permite transportar até 6 pessoas, e o Taxi, em que os serviços são redirecionados para as empresas de táxis locais.

A FPT é uma associações presente no grupo de trabalho criado pelo Governo para analisar os transportes urbanos.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

Christine Lagarde, presidente do BCE. Fotografia: REUTERS/Johanna Geron

Lagarde corta crescimento da zona euro para apenas 1,1% em 2020

Outros conteúdos GMG
Taxistas: Cabify pode entrar em Portugal sem problemas