Lucros da plataforma Zoom disparam 191% mesmo em desconfinamento

A empresa que opera a plataforma virtual de reuniões que se tornou quase obrigatória durante o confinamento continua a crescer

Mesmo com o mundo a desconfinar e as empresas a acolherem os trabalhadores de volta aos seus edifícios, a plataforma de reuniões virtuais Zoom continua o crescimento galopante que experimentou em 2020, quando se tornou uma ferramenta essencial de teletrabalho, ensino e comunicação. As receitas da Zoom Video Communications dispararam 191% no primeiro trimestre fiscal, findo a 30 de abril de 2021, alcançando os 956,2 milhões de dólares (783,2 milhões de euros).

Não obstante o fenómeno de "fadiga do Zoom" que tem sido falado e estudado nos últimos meses, a empresa mostrou que as ferramentas de comunicação em vídeo vieram para ficar, com muito mercado para rentabilizar. Os lucros passaram de apenas 27 milhões no mesmo período do ano passado para 227,4 milhões de dólares neste trimestre fiscal, um crescimento exponencial.

São números que excederam as expectativas do próprio mercado e explicam porque é que a empresa subiu as suas perspetivas de receitas para o ano fiscal, que agora se deverão situar entre os 3,975 e os 3,990 mil milhões de dólares. A reação foi positiva em Wall Street e as ações estiveram a valorizar mais de 4% nas trocas fora de horas.

"Demos o pontapé de saída no ano fiscal com um primeiro trimestre muito forte", comentou o CEO, Eric S. Yuan, no lançamento dos resultados, sublinhando o "firme compromisso" de dar aos clientes ferramentas para trabalharem e aprenderem em qualquer lado.

"O trabalho já não é um lugar, é um espaço onde o Zoom serve para dar poder às equipas para se conectarem e darem vida às melhores ideias", afirmou o CEO. "Estamos entusiasmados para ajudar a liderar a evolução para o trabalho híbrido, que permite maior flexibilidade, produtividade e felicidade tanto nas conexões em pessoa como virtuais."

Segundo o relatório de contas, que foi publicado após o fecho do mercado em Nova Iorque, os resultados devem-se à aquisição de novos clientes e à expansão das subscrições em clientes já existentes. No final de abril, a Zoom tinha 497 mil clientes empresariais com mais de 10 empregados, o que representa um aumento de 87% face ao homólogo.

A empresa reportou também que cerca de 2 mil clientes contribuíram com mais de 100 mil dólares para as receitas no último ano.

Os números positivos vieram, no entanto, com um aviso. O crescimento estratosférico que se verificou em 2020 não poderá ser mantido e por isso o resto do ano deverá assistir a um abrandamento do ritmo. A expectativa da empresa é que o crescimento das receitas neste ano fiscal ronde os 50%.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de