Problemas na cadeia logística abrandam vendas de computadores

Mercado está em crescimento há seis trimestres, mas a escassez de componentes e atrasos logísticos travam maiores subidas

Um dos mercados que mais beneficiou com as alterações provocadas pela pandemia de covid-19 está agora a sofrer o impacto da disrupção causada pela mesma. É que embora as vendas mundiais de computadores tenham voltado a subir entre julho e setembro de 2021, o crescimento do mercado foi atrapalhado pelos problemas ao longo de toda a cadeia logística.

"A indústria dos PC continua a ter dificuldades causadas por desafios de fornecimento e logística e, infelizmente, estes problemas não tiveram grandes melhorias nos últimos meses", explica o analista Jitesh Ubrani, da IDC. O mais recente relatório da consultora mostra que foram vendidos 86,7 milhões de computadores no terceiro trimestre do ano, o que representa uma subida homóloga de 3,9% e o sexto trimestre consecutivo de crescimento das vendas mundiais.

Segundo a IDC, "o início da pandemia levou a um salto da procura ao mesmo tempo que contribuiu para a escassez de componentes e outros desafios logísticos", algo que está agora a traduzir-se no abrandamento das vendas. Por seu lado, as dificuldades de fluxo na cadeia logística levaram várias marcas a tomar decisões de suprimento que estão a afetar os ritmos de vendas nos mercados.

"Dadas as atuais circunstâncias, estamos a ver fabricantes que reordenaram as prioridades de remessas conforme os mercados, permitindo que os mercados emergentes mantenham o momento de crescimento enquanto outros mercados maduros começam a abrandar", detalhou Ubrani.

É isso que explica o ligeiro declínio verificado no enorme mercado dos Estados Unidos, como indica Neha Majahan, também da IDC. "Cadeias de fornecimento congestionadas e desafios logísticos contínuos levaram o mercado norte-americano ao primeiro declínio das remessas desde o início da pandemia", afirma. "Depois de um ano de compras em aceleração impulsionadas pela mudança para trabalho e ensino remoto, há um abrandamento comparativo nos gastos em PC e isso causou um arrefecimento do mercado. A cadeia logística está claramente aquém da procura em segmentos-chave, com o inventário abaixo dos níveis normais."

As marcas mais populares

A chinesa Lenovo lidera o mercado mundial com 22,8% de quota, depois de ter crescido 3,1% e vendido 19,7 milhões de computadores. Em segundo lugar aparece a HP, que ao contrário da líder viu as vendas cair neste período: reduziu as remessas em 5,8%, passando para 20,3% de quota.

Já a Dell Technologies foi claramente a marca que mais beneficiou das tendências neste trimestre, dando um salto de 26,6% nas vendas e passando a deter 17,5% de quota. A Apple, que está em quarto lugar, obteve o segundo melhor crescimento do período: subiu 9,9% com a venda de 7,6 milhões de Macintosh e tem agora 8,8% de quota de mercado. O top 5 fecha com Asus e Acer em ex-aequo estatístico, com vendas em torno de 6 milhões de unidades e 7% de quota.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de