Veniam espera ter 200 mil veículos conectados até ao final do ano

A tecnológica desenvolveu uma plataforma de software que permite a automóveis, camiões e autocarros ligarem-se uns aos outros e à Internet.

"Esperamos ter 200 mil veículos ligados com a nossa tecnologia nos próximos 12 meses, sobretudo de frotas comerciais'", afirmou o presidente executivo da Veniam, João Barros, que prevê um "forte crescimento" da startup portuguesa, constituída há quase nove anos. "Esse é o objetivo e estamos já com as parcerias certas", disse, sem adiantar mais detalhes.

A Veniam é uma startup portuguesa de base tecnológica que resultou do 'spin-off' da Universidade do Porto, da Universidade de Aveiro e do Instituto de Telecomunicações.

A tecnológica tem atualmente cerca de 40 pessoas, engenheiros, e uma equipa comercial na Alemanha, no Japão e nos Estados Unidos, disse o presidente executivo da Veniam, que irá falar sobre a sua plataforma de rede inteligente no FISTA - Fórum de tecnologia e arquitetura do ISCTE, onde mais de 60 empresas vão apresentar os seus produtos em várias áreas, que decorre 'online' entre 24 e 25 de fevereiro.

"Desenvolvemos uma plataforma de software única que permite a automóveis, camiões, autocarros e todo o tipo de objetos em movimento ligarem-se uns aos outros e à Internet", explicou João Barros, que sublinhou que a startup ficou conhecida por criar a maior rede em malha de veículos no mundo no Porto, na altura com os autocarros da STCP, que ainda hoje fornecem wifi grátis a centenas de milhares de passageiros".

Posteriormente, a Veniam fez "redes semelhantes em Singapura e Nova Iorque", tendo também veículos autónomos a usar a sua tecnologia.

A Veniam "vende a sua plataforma de software para todo este tipo de dispositivos, incluindo câmaras que são colocadas em veículos e outro tipo objetos que estão a recolher dados e que precisam de se ligar à Internet", prosseguiu o também professor catedrático.

A empresa não revela o valor da faturação, mas em três rondas de financiamento - 2014, 2016 e 2018 - em Silicon Valley e Nova Iorque levantou "aproximadamente 40 milhões de euros", disse.

Sobre os seus clientes, João Barros salientou que há "várias frotas no mundo" que já utilizam o software da tecnológica portuguesa.

"Temos projetos ainda confidenciais com vários fabricantes de automóveis para incluir o nosso software diretamente nos veículos a partir de fábrica", bem como "uma série de empresas que colocam câmaras" desenvolvidas pela startup nos veículos para aumentar a segurança rodoviária.

Estas câmaras, explicou, "conseguem detetar se o condutor está a adormecer" ou se está a utilizar o telemóvel enquanto conduz e avisa. Com esta tecnologia, as empresas "conseguem reduzir os acidentes e os custos com os seguros dos automóveis e das frotas", utilizando inteligência artificial para analisar os vídeos.

Com o software da Veniam é possível a todos os dispositivos "tornarem-se eles próprios pontos de acesso à Internet para outros dispositivos", ou seja, "passamos a ter uma rede em malha em que todos" estes objetos "partilham ligações à Internet", disse o presidente executivo.

"Até à Veniam chegar, a única hipótese que os fabricantes de automóveis tinham era que os veículos se ligassem a um router wifi em casa das pessoas", por exemplo, entretanto a tecnológica "revolucionou essas ligações, permitindo ligarem-se automaticamente a todos os routers wifi disponíveis".

A importância da tecnologia nos veículos explica-se por estes serem muitos e precisarem de transmitir grandes quantidades de dados, desde mapas, passando pelas atualizações de software, dados que recolhem sobre a qualidade da infraestrutura e do ambiente em redor.

"Todos esses dados têm de ser transmitidos para a cloud [nuvem] para processamento e para todo o tipo de aplicações que melhoram a qualidade de vida das pessoas", salientou.

"Os veículos passam a fazer parte da Internet de uma forma que não era possível até agora, deixam de ser apenas máquinas de transporte, mas pontos de acesso à Internet, com sensores que colecionam dados", acrescentou, salientando que a Veniam garante "sempre" o anonimato, privacidade e a segurança dos dados.

Sobre a importância do 5G para a plataforma, João Barros disse ser "muito útil porque aumenta a conectividade e a largura de banda disponível", mas sublinhou que "vai continuar a coexistir o wifi, o 4G", ou seja, todo o tipo de redes e de tecnologias diferentes.

"Aquilo que diferencia o software da Veniam é precisamente utilizar a inteligência artificial para poder decidir qual é a melhor rede" - seja wifi, 4G ou 5G - "dependendo das necessidades das várias aplicações", acrescentou.

No futuro, defendeu, estas tecnologias "vão ser muito importantes para os novos sistemas de mobilidade", após a pandemia e quando as pessoas voltarem a utilizar transportes públicos e veículos partilhados.

"Prevemos, uma vez atingida a imunidade de grupo, que seja possível" voltar ao "sistema de mobilidade partilhado, é absolutamente crítico para combater as alterações climáticas, porque precisamos de 10 vezes menos veículos para fornecer o serviço de mobilidade às pessoas", apontou João Barros.

O futuro da indústria automóvel passa pela inovação e por veículos menos poluentes.

Os estímulos para relançar a economia, tanto europeus como norte-americanos, "vão ser orientados para tecnologias que beneficiem a luta às alterações climáticas", "a nossa tecnologia ajuda: com mais conectividade e mais dados conseguimos sistemas de mobilidade muito mais sustentáveis", disse.

"Estou convencido que a indústria vai oferecer veículos mais conectados, com menos emissões de carbono", o que permitirá avançar para cidades inteligentes mais sustentáveis, acrescentou o responsável.

Se tudo correr como o previsto - regresso da indústria automóvel aos negócios e ao investimento na inovação -, a Veniam espera voltar "a contratar novamente" no final do ano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de