Tecnológica portuguesa “aprende” com 200 clientes em conferência

WeDo Technologies reúne clientes
Worldwide User Group Conference, evento organizado pela bracarense WeDo Technologies, este ano no Porto, entre hoje e sexta-feira, é uma conferência diferente: cerca de duas centenas de clientes de 45 países de todo o Mundo vêm ao Porto Palácio Hotel "contar o que fazem com a tecnologia" made in Braga."> WeDo Technologies reúne clientes

A 9ª Worldwide User Group Conference, evento organizado pela bracarense WeDo Technologies, este ano no Porto, entre hoje e sexta-feira, é uma conferência diferente: cerca de duas centenas de clientes de 45 países de todo o Mundo vêm ao Porto Palácio Hotel "contar o que fazem com a tecnologia" made in Braga.

“Produzimos software para mais de 200 clientes em mais de 80 países de todo o mundo e realizamos este evento desde 2006 como forma de reunir experiência sobre a utilização dos nossos produtos em diferentes setores, como a da energia, das finanças, das telecomunicações e de retalho”, explica Rui Paiva, fundador e CEO da WeDo Technologies.

Trata-se de uma forma de “verificação” de qualidade, no fundo, até porque a WeDo Technologies se orgulha de ser “a maior empresa do mundo a fornecer software de Enterprise Business Assurance”, ou seja, programas de auditoria e controlo tecnológico permanente que garante que os resultados são os esperados e os melhores possíveis.

E há um “segundo objetivo, mais oculto” na realização das conferências, segundo Rui Paiva. “Somos um bocadinho patrióticos, por isso queremos fazer com que gostem do nosso país, mesmo se Portugal não é habitualmente associado a tecnologia, embora hoje em dia seja cada vez menos importante de onde somos e mais importante se o que fazemos funciona”, explicou. As conferências já se realizaram em Braga, Lisboa, Porto, Madeira, Algarve e “têm sempre nota máxima dos participantes, pela forma como sabemos receber”.

Em 2013, entre a sede portuguesa e as 12 filiais em todo o Mundo, a WeDo Technologies cresceu 12% com um volume de negócios de 61,5 milhões de euros, dos quais 80% correspondem a clientes estrangeiros. Emprega cerca de meio milhar de pessoas (50% em Portugal) e está a recrutar duas dezenas de pessoas da área Informática.

“Temos imensas dificuldades em encontrar pessoas, as universidades não formam à velocidade que as empresas exigem”, queixa-se Rui Paiva, que, sendo de Lisboa, decidiu instalar a empresa em Braga, em 2001, precisamente na expetativa de captar mais recém-licenciados da Universidade do Minho. “A região tem muitas micro empresas, e outras maiores, como nós, que absorvem muito depressa todos os licenciados. Já para não falar dos que emigram”, lamenta o empresário.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Bitcoin

As sete critptomoedas que valem mais de dez mil milhões

Fotografia:  Fernando Pereira / Global Imagens

Como a dona da Conforama causou perdas milionárias aos maiores bancos do mundo

Angela Merkel

SPD aprova negociações com Merkel para formação de governo

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Tecnológica portuguesa “aprende” com 200 clientes em conferência