Tecnologia

Tecnológica SAP vai contratar, pelo menos, mais 65 pessoas em Portugal

SAP | Luís Urmal Carrasqueira

Em 1993, três pessoas fundavam a operação portuguesa da tecnológica SAP em Portugal. Agora empresa olha para as universidades para crescer.

A SAP Portugal conta atualmente com 420 funcionários, “grande parte é mão-de-obra altamente qualificada”, e tenciona aumentar o número de trabalhadores nos próximos meses. Depois de no decorrer de 2018 já ter contratado 80 pessoas, a gigante quer acrescentar, pelo menos, mais 65 pessoas ao seu centro de serviços internacionais instalado em Oeiras.

Rita Feio, responsável por esta divisão, revelou que da equipa da SAP em Portugal, 260 pessoas estão alocadas ao centro de serviços internacionais, que deverá crescer para 325 funcionários a curto prazo.

“Temos perspetiva de crescimento em Portugal, cada vez mais vamos alargar a colaboração com os parceiros para que depois possam fazer a implementação de soluções completas”, defendeu.

“Estamos a planear o que vamos fazer no próximo ano, mas o objetivo é crescer”, referiu por seu lado o diretor-geral da SAP Portugal, Luís Urmal Carrasqueira, quando questionado se as contratações da tecnológica iriam além daquelas que vão ser feitas especificamente para o centro internacional de serviços, o líder deixou essa hipótese em aberto. Garantido é que vai haver uma maior aproximação às universidades para resolver parte do problema da falta de mão-de-obra tecnológica que existe em Portugal.

Informáticos precisam-se

A SAP iniciou há dois anos o programa University Alliances, através do qual tenta dar maiores conhecimentos técnicos aos alunos que ainda estão no ensino superior. A tecnológica já tem três parcerias firmadas em Portugal – Universidade Nova de Lisboa, Universidade do Minho e Instituto Politécnico de Tomar -, mas não vai ficar por aqui.

Num encontro com jornalistas esta quarta-feira, para celebrar o 25º aniversário da SAP Portugal, o diretor-geral, Luís Urmal Carrasqueira, confirmou que a empresa está a finalizar mais duas parcerias com instituições do ensino superior portuguesas, acordos que deverão ficar confirmados ainda antes do final do ano.

“É uma das nossas prioridades contribuir para o desenvolvimento da mão-de-obra e do país. Queremos criar um ecossistema de inovação”, disse o líder da SAP Portugal.

Questionado sobre os objetivos para este programa em 2019, Luís Urmal Carrasqueira não se comprometeu com um número concreto de acordos, mas adiantou que há mais “três ou quatro” instituições de ensino superior “que mostraram interesse em aderir” ao programa. “A nossa preocupação não é quantidade, mas a qualidade”.

“As universidades são uma das nossas prioridades. A transformação que está a existir não é só em Portugal, é global, e os recursos portugueses são apetecíveis para projetos internacionais”, defendeu Luís Urmal Carrasqueira. “Também achamos que as universidades portuguesas devem ter capacidade de atração para estudantes estrangeiros”.

O programa University Alliances é um projeto que coloca ferramentas tecnológicas da SAP nos conteúdos ensinados em licenciaturas e pós-graduações nas instituições de ensino parceiras. “Fornecemos tecnologias às universidades para terem capacidade de experimentação para resolver problemas às empresas. Isto aproxima muito os alunos do que é a realidade, mas dado o desprendimento para com quem estão a endereçar os temas, liberta muito a criatividade em termos de propostas”, disse Luís Urmal Carrasqueira.

A falta de profissionais nas tecnologias “é uma área de preocupação”, admite, daí o reforço nesta aposta. “O país tem capacidade de atração, mas para isso é preciso criar bases. Retê-los logo muito cedo com a ligação das empresas e trazer estudantes internacionais”.

Leia também | Somar, subtrair e programar: o código já chegou às escolas portuguesas

Já Rita Feio, diretora da unidade de serviços internacionais que a SAP tem em Portugal, diz que esta aposta nas universidades e politécnicos serve para “criar um conhecimento das soluções na área da tecnologia, na vertente de inovação, que seja transversal independentemente dos cursos que estamos a falar”.

“Nós demos os primeiros passos para fazer estas parcerias com universidades que têm formação mais na área da tecnologia e da ciência de dados, mas o sonho é darmos esta formação, no limite, em qualquer curso, porque todas as empresas sustentam o seu negócio também na tecnologia. Sendo a tecnologia da nossa empresa ou de outra. É muito importante a formação em termos de processos de tecnologia, porque isso vai servir o futuro”, explicou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Costa pede mais reformas a Costa

Illu - Site-02

Viagens ao espaço deixam turismo com a cabeça na Lua

Illu - Site-02

Viagens ao espaço deixam turismo com a cabeça na Lua

Outros conteúdos GMG
Tecnológica SAP vai contratar, pelo menos, mais 65 pessoas em Portugal