Teixeira Duarte

Teixeira Duarte sai do setor da energia por 8,3 milhões de euros

Pedro Teixeira Duarte, presidente do Conselho de Administração do grupo Teixeira Duarte. Fotografia: DR
Pedro Teixeira Duarte, presidente do Conselho de Administração do grupo Teixeira Duarte. Fotografia: DR

Teixeira Duarte passa a estar em seis setores de atividade - construção, construções e serviços, imobiliário, hotelaria, distribuição e automóvel

A Teixeira Duarte vai sair do setor da energia. O grupo presidido por Pedro Teixeira Duarte anunciou esta terça-feira a venda dos restantes 50% que detinha na sociedade Tdarcol SGPS à OZ Energia por 8,3 milhões de euros.

“A TEIXEIRA DUARTE, S.A. informa que as sociedades por si dominadas 100%, TEDAL – SGPS, S.A. e Teixeira Duarte – Gestão de Participações e Investimentos Imobiliários, S.A. celebraram um acordo com a OZ Energia, S.A. para alienação da participação de 50% que essas entidades detinham na sociedade TDARCOL – Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. pelo preço de 8,3 milhões de euros”, refere o grupo português em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O grupo deverá concluir, desta forma, a saída do setor da energia. Tudo depende agora da ‘luz verde’ da Autoridade da Concorrência, que deverá autorizar a operação “ainda durante o primeiro trimestre de 2017”.

A OZ Energia é detida a 100% pela Gestmin SGPS – sociedade liderada por Manuel Champalimaud – e dedica-se à comercialização de produtos petrolíferos, sobretudo gás propano e butano.

A Tdarcol estava atualmente apenas na área do gás, depois da venda, em 2015, da participação na sociedade Petrin, que detinha a concessão de 60 postos de abastecimento de combustível da marca Avia.

Caso a operação seja autorizada, a Teixeira Duarte passa a estar em seis setores de atividade – construção, construções e serviços, imobiliário, hotelaria, distribuição e automóvel – em 18 países.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Centeno mantém crescimento de 1,9% este ano. Acelera para 2% no próximo

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Dívida pública desce mais devagar do que o previsto

desemprego Marcos Borga Lusa

Taxa de desemprego nos 5,9% em 2020. A mais baixa em 17 anos

Outros conteúdos GMG
Teixeira Duarte sai do setor da energia por 8,3 milhões de euros